Aspectos naturais e sociais dos sentimentos morais na filosofia de Hume

Matheus de Mesquita Silveira (UCS)

Resumo


O presente artigo tem como objetivo central apresentar os elementos naturais e sociais presentes na investigação de David Hume acerca do fundamento das distinções morais. O argumento analisa a relação entre a obra do filósofo escocês com a de Ernst Tugendhat, mais precisamente na análise acerca de como os sentimentos desempenham um papel central em ações de aprovação e censura morais em pequenos grupos. A busca por uma qualidade que conceda a estas inclinações afetivas a intersubjetividade necessária para regular o comportamento social terá como foco a investigação do conceito de simpatia apresentado por Hume. Será realizado um estudo conceitual sobre a influência desta qualidade natural no apreço dos seres humanos com relação às virtudes naturais e artificiais, em particular a benevolência e a justiça. O objetivo é o de identificar em que medida sentimento, influenciados por sensações de prazer e dor, estão na base do modo como indivíduos valoram ordinariamente comportamentos e caráteres. A parte final do artigo é direcionada a relação entre o pensamento humeano e análises contemporâneas sobre a influência dos afetos no comportamento moral, a fim de realçar o naturalismo presente no pensamento humeano.

Palavras-chave


Hume; Sentimentalismo; Simpatia.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122