A ESTRUTURA LÓGICA E OS LIMITES DA DESCRIÇÃO DO MUNDO

Autores

  • Kleber Moresco Pontifícia Universidade Lateranense (Studium Theologicum).
  • Donizeti Pessi Instituição de Ensino Superior Sant'Ana de Ponta Grossa (IESSA) e Universidade Federal de Ponta Grossa (UEPG).

Palavras-chave:

Descrever. Linguagem. Lógica. Mostrar. Sentido.

Resumo

Este trabalho de caráter qualitativo-bibliográfico tem como objetivo apresentar a maneira como Ludwig Wittgenstein, entende o lugar da lógica dentro do mundo, na sua obra Tractatus Logico-Philosophicus. Wittgenstein foi associado ao Círculo de Viena, e por meio dessa associação diversas vezes os escritos dele são compreendidos de uma distorcida. O Tractatus Logico-Philosophicus apresenta a estrutura lógica do mundo e sua relação com a linguagem, mas não elimina os aspectos transcendentes da existência na compreensão do mundo. Diversos problemas da linguagem são criados pela falta de compreensão do funcionamento da linguagem. Este trabalho apresenta a teoria do Tractaus definindo de maneira clara os domínios e os limites da linguagem lógica. O mundo pode ser descrito pela linguagem, mas há uma grande diferença entre mostrar e descrever; aquilo que é descrito não está delimitado totalmente no conteúdo da proposição, tanto que, busca sua referência na realidade. Por isso, buscar o sentido de uma proposição é uma tarefa muito mais complexa e profunda do que apenas descrever as características de um objeto. A linguagem, quando utilizada corretamente, mostra o sentido dos objetos. Contudo é necessário compreender o funcionamento da lógica para não criar um discurso totalmente tautológico ou contraditório.

Biografia do Autor

Kleber Moresco, Pontifícia Universidade Lateranense (Studium Theologicum).

Possui Licenciatura em Filosofia pela Faculdade Entre Rios do Piauí (FAERPI). Com experiência nas áreas de: Filosofia da Linguagem e Lógica. Atualmente cursa Teologia no Studium Theologicum de Curitiba; instituto filiado à Pontifícia Universidade Lateranense de Roma. Na área teológica possui experiência no estudo de espiritualidade franciscana.

Donizeti Pessi, Instituição de Ensino Superior Sant'Ana de Ponta Grossa (IESSA) e Universidade Federal de Ponta Grossa (UEPG).

Doutorando em Educação (Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG), Mestre em Teologia (PUCPR), Especialista em Filosofia Contemporânea (FACEL/Curitiba-PR); Bacharelado em Filosofia pelo Instituto de Filosofia e Teologia Mater Ecclesiae - livre e Licenciado em Filosofia pela Faculdade Padre João Bagozzi . Professor Titular na Faculdade Sant'Ana nos cursos de Licenciatura em Filosofia, Licenciatura em Letras Português/Libras, Licenciatura em Pedagogia e Bacharelado em Psicologia. Professor Colaborador do Departamento de Educação e do Departamento de Artes da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Tem experiência na área de Filosofia, Educação, Formação de Professores, Estética, Artes, Música e Teologia.

Referências

ARAÚJO, Inês Lacerda. Do signo ao discurso: Introdução à filosofia da linguagem. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Trad.: Helena Martins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

MORENO, Arley R. Os labirintos da linguagem: Ensaio introdutório. São Paulo: Moderna, 2000.

NEF, Frédéric. A linguagem: uma abordagem filosófica. Trad.: Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

PINTO, Paulo Roberto Margutti. Iniciação ao silêncio: uma análise do Tractatus de Wittgenstein como forma de argumentação. São Paulo: Loyola, 1998.

SCHMITZ, François. Wittgenstein. Trad.: José Oscar de Almeida Marques. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

ZILLES, Urbano. O racional e o místico em Wittgenstein. 3. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus Logico-Philosophicus. Trad.: Luiz Henrique Lopes Santos. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

Downloads

Publicado

2019-05-31

Edição

Seção

Artigos