A violação e a negação da ciência como ideologia

Autores

  • Henrique Rudolfo Hettwer UFSM

Palavras-chave:

Ciência, Negacionismo, Ideologia.

Resumo

Este trabalho se dedica à análise da ciência, sua relevância dignificante e algumas contradições históricas na teoria do conhecimento. Mostram-se concepções distintas e muitas vezes divergentes que levam à sua negação, ideologizada na vida política, cultural e social. Mediante releitura de referencial teórico e análise de dados contemporâneos da realidade brasileira, propõem-se reflexões conceituais da ciência diante das expectativas humanas, levando em consideração a condução emancipatória que a ciência pode possibilitar à humanidade. São apresentadas algumas disputas ideológicas que fragilizam seu curso, desde as ilustrações de Brecht referenciando-se a Galileu, do movimento intelectual iluminista e o processo do “Macaco de Scopes”, no início do século XX nos Estados Unidos. O artigo demonstra conflitos ideológicos religiosos com a ciência, bem como sua violação mercantil no capitalismo, que a condiciona e a reduz para a obtenção do lucro, acima das necessidades humanas e da natureza. Tal situação conflituosa configura-se também no Brasil, ocasionando a confusão ideológica acerca da missão da ciência para a população, o que contribui para outros danos colaterais.

Referências

ALVES, Rubem. Filosofia da ciência. São Paulo: Brasiliense, 1993.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BERKELEY, George. Três diálogos entre Hylas e Philonous. Curitiba: UFPR-SCHLA, 2012.

BESSE, Guy e CAVEING, Maurice. Politzer – princípios fundamentais de Filosofia. São Paulo: Hemus Editora, 1995.

BRECHT, Bertolt. Vida de Galileu. Teatro completo, em 12 volumes/ Bertolt Brecht. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

CAMUS, Sébastien... [et al.]. 100 obras-chave de filosofia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

CHAPLIN, Charles. Discurso final de ‘O grande ditador’, de Charlie Chaplin (1940). In O grande ditador. Disponível em https://www.revistaprosaversoearte.com/discurso-final-de-o-grande-ditador-de-charlie-chaplin-1940/

CONDILLAC, Étienne Bonnot de. Ensaio sobre a origem dos conhecimentos humanos. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

DIDEROT, Denis. Carta sobre os cegos para o uso dos que veem. Tradução de J. Guinsburg. Col. Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

FIORI, Marcus Fernando e NENEVÊ, Miguel. Dogmatismo, alienação e miséria cultural – uma reflexão sobre o julgamento do macaco Scopes. Revista Pesquisa & Criação - Volume 10, Número 2, Julho/Dezembro de 2011: 49-57.

FORTES, Luiz R. Salinas. O iluminismo e os reis filósofos. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GALLUP. Welcome global monitor 2018. Revista Sciense: disponível em https://www.sciencemag.org/news/2019/06/global-survey-finds-strong-support-scientists em 10/04/2020.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. A razão na História. São Paulo: Centauro, 2001.

IBGE. População, por níveis de instrução. Sidra, IBGE, 2018. Disponível em https://sidra.ibge.gov.br/tabela/5919#resultado em 10/04/2020.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: o que é Esclarecimento? Brasília: Casa das Musas, 2008.

KNELLER, George F. A ciência como atividade humana. São Paulo; Rio de Janeiro: Edusp; Zahar, 1980.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectivas, 1962.

LUTERO, Martinho. Se alguém pode fugir de uma praga mortal. Disponível em http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/597035-igrejas-estrangeiras-e-coronavirus-entre-boas-praticas-e-atitudes-inconsistentes em 10/04/2020.

MALEBRANCHE, Nicolas. A busca da verdade. São Paulo: Paulus Editora, 2004.

MARICONDA, Pedro Rubén. Galileu e a ciência moderna. Cadernos de Ciências Humanas - Especiaria. v. 9, n.16, jul./dez., 2006, p. 267-292.

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MILANI, Claudia. Diderot: o espírito do iluminismo francês. São Paulo: Salvat, 2017.

OCDE. Educação em revista 2018. Disponível em https://www.oecd-ilibrary.org/sites/6777b3a7-pt/index.html?itemId=/content/component/6777b3a7-pt em 10/04/2020.

PEREIRA, Mozart Silvano. O sentido do conceito de ideologia em Marx e a questão da igualdade jurídica. Revista InSURgência: Brasília, ano 2, v.2, n.1, 2016.

PIMENTA, Pedro Paulo Garrido. Kant e a revolução copernicana. In Revista Mente-Cérebro, nº3. São Paulo: Duetto Editorial, 2005.

POPPER, Karl Raimund. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Editora Pensamento-Cultrix, 1959.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Discurso sobre as ciências e as artes. Domínio público, 1750. Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cv000012.pdf.

_______. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Porto Alegre: L&PM, 2009.

SPINOZA, Baruch. Ética demostrada según el orden geométrico. México: Fondo de Cultura Económica, 1985.

WARBURTON, Nigel. Uma breve história da Filosofia. Porto Alegre: L&PM, 2014.

Downloads

Publicado

2021-05-07