Para uma ontologia da ficção literária: da relação entre mundos ao pensamento especulativo

Autores

  • John Endrew Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Ontologia da ficção, Ontologia da experiência literária, Antropologia especulativa, Filosofia especulativa

Resumo

O intuito deste artigo é discutir e propor uma reflexão a respeito da possibilidade de uma ontologia da ficção. De maneira mais específica, investigar o status real e existencial dos mundos criados pela ficção literária e qual a relação destes com o “nosso mundo”. Para alcançar esse objetivo, o artigo se desenvolve através de quatro momentos principais e interconectados. Inicialmente, se faz um breve levantamento histórico das raízes da ficção no mundo antigo. Em seguida, investiga-se como se dá a relação entre possível e impossível na ficção, assim como de que maneira essa relação entre limites nos leva para uma relação entre mundos. A partir disso, retoma-se a importância da leitura e da experiência literária de uma forma geral, para se ter acesso a uma compreensão ontológica da ficção. Por fim, explora-se o papel da leitura como antropologia especulativa e busca-se, na medida do possível, fornecer um exemplo dessa abordagem. O fio condutor que permeia todo o texto e é reiterado ao longo de suas principais passagens é o caráter relacional da experiência ficcional, funcionando como modo de compreensão e acesso para uma ontologia da ficção.

Biografia do Autor

John Endrew, Universidade Federal do Paraná

Graduado em História pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Mestrando em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná. Interassa-sse por Metafísica, Ontologias Contemporâneas, Filosofia e Literatura, História da Filosofia Contemporânea.

Referências

BRANDÃO, J. J. L. 2005. Antiga Musa: (arqueologia da ficção). Belo Horizonte, Faculdade de Letras da UFMG, 182 p.

BULL, P. 2014. Contra antropologia, contra o estado: uma entrevista com Eduardo Viveiros de Castro. Revista Habitus, 12 (2): 146-163.

DERRIDA, J. 2014. Essa estranha instituição chamada literatura: uma entrevista com Jacques Derrida. Belo Horizonte, Editora UFMG, 118 p.

DOLEZEL, L. 1998. Heterocosmica: Fiction and Possible Worlds. Baltimore, Johns Hopkins University Press, 333 p.

NETO, M. P. 2015. A estranha instituição da literatura no multiverso dos espectros. Alea: Estudos Neolatinos, 17 (1): 114-126.

NODARI, A. A. 2015. A literatura como antropologia especulativa. Revista da ANPOLL, 1 (38): 75-85.

SAER, J. J. 2009. O conceito de ficção. Sopro, 15: 1-4.

STERZI, E. 2019. Hipóteses. Meteöro – revista de poesia, 1.

THOMAS, Y. 1999. Los artificios de las instituciones. In: Y. THOMAS, Los artificios de la verdad. La ficción en derecho medieval. Buenos Aires, Universidad de Buenos Aires, p. 37-54.

VAIHINGER, H. 2011. A forma linguística da ficção. Análise do como se. In: H. VAIHINGER, A filosofia do como se. Chapecó, Argos, p. 239-246.

WALLACE, D. F. 2012. Pense na Lagosta. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/materia/pense-na-lagosta/. Acesso em 01/06/2020.

Downloads

Publicado

2021-05-07