Sobre redes de interação subjetiva: a comunicação como vetor da cibercultura

Marcos Nicolau

Resumo


Seria a “tecnologia” uma força autônoma capaz de impulsionar os avanços das sociedades modernas, como afirma Kevin Kelly (2012)? Contrariando essa ideia, acreditamos que tal autonomia está situada, não na tecnologia, mas na Comunicação em sua concepção humana, mediada pela tecnologia. Trata-se da comunicação analisada, não mais como visão sistêmica, e sim do ponto de vista da complexidade, como a definem Morin (2007) e Bar-Yam (2004). É essa outra compreensão da cibercultura que nos faz perceber a existência de redes de interação subjetiva, cuja característica principal é a constante negociação entre a expressividade pessoal e as concepções coletivas, transitando na Rede e gerando vetores de mudanças e transformações na sociedade da informação. O propósito do presente artigo é demonstrar como a comunicação gera vetores de mudanças a partir dos grandes fluxos informacionais imprevisíveis, a exemplo das redes de interação subjetiva.

Palavras-chave: comunicação, redes de interação, cibercultura.


Texto completo: PDF



ISSN: 1806-6925 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto Gráfico: Jully Rodrigues

Crossref Member Badge
Crossref Similarity Check logo
Locations of visitors to this page