Superagendamento e mídias sociais: uma proposta conceitual

Autores

  • Rafiza Luziani Varão Ribeiro Carvalho Universidade de Brasília
  • Katrine Tokarski Boaventura Centro Universitário de Brasília

Palavras-chave:

agenda-setting, comunicação, gatewatching, mídias sociai, superagendamento.

Resumo

A hipótese/teoria do agenda-setting vem sendo debatida desde a década de 1970, quando da sua criação por Maxwell McCombs e Donald Shaw. Contudo, sua formulação original dizia respeito à ação daqueles hoje chamados meios de comunicação de massa, considerando especialmente duas esferas: o agendamento dos próprios meios e o cotidiano da audiência. Este artigo tem como objetivo propor uma delimitação conceitual acerca de fenômeno contíguo possibilitado pelo avançar das mídias sociais: o superagendamento, a transposição da conversa cotidiana sobre aquilo que se considera mais importante veiculado pelos meios de comunicação para o ambiente dos próprios meios técnicos, pela ação de seus usuários, levando em consideração três aspectos referentes ao agendamento: acumulação, consonância e onipresença.
A pesquisa tem natureza teórica e se constrói essencialmente a partir de revisão
bibliográfica e observação de dados empíricos fornecidos pelo DAPP Report, da Sala de Democracia Digital da Fundação Getúlio Vargas. Conclui-se que há evidências do processo de superagendamento.

Biografia do Autor

Rafiza Luziani Varão Ribeiro Carvalho, Universidade de Brasília

Rafiza Varão é doutora em Comunicação pela Universidade de Brasília (2012), na área de Teoria e Tecnologias da Comunicação. Sua tese se insere na história das teorias da comunicação e resgata o pensamento do cientista político Harold Lasswell sobre comunicação, daí o título "Harold Lasswell e o Campo da Comunicação". É mestre em Comunicação também pela Universidade de Brasília (2002), na área de Imagem e Som, onde defendeu a dissertação "Nosferatu: o imaginário de uma sinfonia de horror", com base na teoria sobre o imaginário de Gaston Bachelard. Graduou-se em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo (1999). Leciona na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília e trabalha especialmente com Teorias da Comunicação, Ética e Redação Jornalística. Coordena o projeto SOS Imprensa.

Katrine Tokarski Boaventura, Centro Universitário de Brasília

Doutora em Comunicação pela Pós-graduação da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, concluído em 2014, possui mestrado concluído na mesma instituição em 2009, e graduação em Jornalismo pela Universidade de Brasília (2004). Pesquisa Teorias da Comunicação, Interdisciplinaridade, Jornalismo, Estudos Culturais Latino-Americanos e Recepção. Docente de cursos de graduação e pós-graduação de Comunicação, especialmente Jornalismo. Atuou como jornalista em TV, rádio e assessoria de Comunicação.

Referências

ARUGUETE, Natalia. The agenda setting hypothesis in the new media environment. Comunicación y Sociedad, Guadalajara, n. 28, p.35-58, jan. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.org.mx/pdf/comso/n28/0188-252X-comso-28-00035.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2019.

BAKSHY, Eytan; MESSING, Solomon; ADAMIC, Lada A.. Exposure to ideologically diverse news and opinion on Facebook. Science, Washington, v. 348, n. 6239, p.1130-1132, 5 jun. 2015. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/276067921_Political_science_Exposure_to_ideologically_diverse_news_and_opinion_on_Facebook>. Acesso em: 20 fev. 2019.

BRUNS, Axel. Gatekeeping, gatewatching, realimentação em tempo real: novos desafios para o jornalismo. Brazilian Journalism Research, v. II, n. 2, pp. 224-247, 2014. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/342. Acesso em: 04 mai. 2017.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução de Carlos A. Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CASTRO, Davi de. Agenda-setting: hipótese ou teoria? Análise da trajetória do modelo de Agendamento ancorada nos conceitos de Imre Lakatos. Intexto, Porto Alegre, UFRGS, n. 31, dezembro, 2014. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/intexto/article/viewFile/46390/32217>. Acesso em: 20 fev. 2019.

CASTRO, Davi de. Agenda setting e Internet: tendências e perspectivas de pesquisa. Faculdade de Comunicação. Brasília, Universidade de Brasília, 2014. (Dissertação de Mestrado)

DAROS, Otávio. Douglas Kellner e a elaboração de uma pedagogia crítica para a mídia. Comunicação: reflexões, experiências, ensino, Curitiba, v. 14, n. 2, p.9-18, nov. 2018. Disponível em: <http://ojs.up.com.br/index.php/comunicacao/article/view/1023/0>. Acesso em: 20 fev. 2019.

FEEZELL, Jessica T.. agenda-setting through Social Media: The Importance of Incidental News Exposure and Social Filtering in the Digital Era. Political Research Quarterly, Utah, v. 13, n. 1, p.1-13, dez. 2017. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1065912917744895>. Acesso em: 20 fev. 2019.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. DAPP Report: A semana nas redes (01/11). 2018. Disponível em: <https://observa2018.com.br/reports/dapp-report-a-semana-nas-redes-01-11/>. Acesso em: 7 fev. 2019.

GROTH, Otto. O poder cultural desconhecido: fundamentos da ciência dos jornais. Tradução Liriam Sponholz. Petrópolis: Vozes, 2011.

GRZYWI?SKA, Ilona; BATORSKI, Dominik. How the emergence of social networking sites challenges agenda-setting theory. Konteksty Spoleczne, Lublin, v. 4, n. 1, p.19-32, jul. 2016. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/315472304_How_the_Emergence_of_Social_Networking_Sites_Challenges_Agenda-Setting_Theory>. Acesso em: 20 fev. 2019.

HOHLFELDT, Antonio. Hipóteses Contemporâneas de Pesquisa em Comunicação. In: HOHLFELDT, Antonio, MARTINO, Luiz C., FRANÇA, Vera. Teorias da Comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

LACALLE, Charo. As novas narrativas da ficção televisiva e a Internet. Matrizes, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 79-102, 2010.

MAIER, Scott. All the News Fit to Post?: Comparing News Content on the Web to Newspapers, Television, and Radio. Journalism & Mass Communication Quarterly, p.548-562, set. 2010. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/107769901008700307>. Acesso em: 20 fev. 2019.

MCCOMBS, M. A teoria da agenda: a mídia e a opinião pública. Petrópolis: Vozes, 2004.

MCCOMBS, M. (2005) A Look at Agenda-setting: past, present and future, Journalism Studies, 6:4, 543-557, DOI: 10.1080/14616700500250438, 2005.

MCCOMBS, M.; SHAW, D. L. The Agenda-Setting Function of Mass Media The Public Opinion Quarterly, Vol. 36, No. 2 (Summer, 1972), pp. 176-187 Published by: Oxford University Press on behalf of the American Association for Public Opinion.

MCCOMBS, M., & VALENZUELA, S. The Agenda-Setting Theory / La teoría Agenda-Setting. Cuadernos. Info, (20), 44-51. https://doi.org/10.7764/cdi.20.111, 2011.

OLIVEIRA, Thaiane; WANICK, Vanissa. Desdobrando o conceito de engajamento: revisão bibliográfica sobre seus aspectos comportamentais, emocionais e cognitivos. Lumina, Juiz de Fora, v. 12, n. 2, p.150-171, ago. 2018.

PRIMO, Alex . O que há de social nas mídias sociais? Reflexões a partir da Teoria Ator-Rede. Contemporanea, Salvador, v. 10, p.618-641, 2012. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/6800>. Acesso em: 20 fev. 2019.

SAYRE, Ben; BODE, Leticia; SHAH, Dhavan. Agenda Setting in a Digital Age: Tracking Attention to California Proposition 8 in Social Media, Online News, and Conventional News. Policy & Internet, Washington, v. 2, n. 2, p.7-32, 2010. Disponível em: <https://repository.library.georgetown.edu/bitstream/handle/10822/559283/Bode_Leticia_Agenda_Setting.pdf;sequence=1>. Acesso em: 20 fev. 2019.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus logico-philosophicus. Tradução: Luiz Henrique Lopes dos Santos. São Paulo: Edusp, 2008.

WOHN, Donghee Yvette; BOWE, Brian J.. Micro Agenda Setters: The Effect of Social Media on Young Adults’ Exposure to and Attitude Toward News. Social Media + Society, Chicago, v. 12, n. 1, p.1-12, jan. 2016. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/2056305115626750>. Acesso em: 20 fev. 2019.

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Presença, 1999.

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Presença, 2002.

Downloads

Publicado

2021-03-06