MacIntyre e a virtude do reconhecimento da dependência em Aristóteles e Tomás de Aquino

Kelly Cristini Rocha da Silva Ferreira

Resumo


Este trabalho examina as reflexões de MacIntyre, em cotejo com os dois principais filósofos com quem ele dialoga: Aristóteles e Tomás de Aquino. Inicialmente é examinada a exposição feita por MacIntyre da dependência como característica primordial do homem. Depois, é exposta a magnanimidade, que, em Aristóteles, é virtude, mas que, na leitura de MacIntyre, pode significar justamente o oposto. No passo seguinte, aprecia-se o trecho de uma prece de Tomás de Aquino que, na leitura de MacIntyre, representa a abertura para o reconhecimento da dependência humana como virtude e o ponto de afastamento daquele em relação a Aristóteles. Por fim, examina-se a proposição de MacIntyre segundo a qual o reconhecimento de que o ser humano é um animal racional e dependente constitui uma virtude essencial à reflexão moral.


Palavras-chave


virtude, dependência, Aristóteles, Tomás de Aquino, MacIntire

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122