Kierkegaard e a análise do desespero entre o indivíduo e a sociedade

Jonas Ross

Resumo


A análise do desespero, como desenvolvida em A Doença para a Morte, não se restringe à questão existencial do indivíduo, mas comporta também uma compreensão e crítica do contexto social da Dinamarca de Kierkegaard. O conceito de desespero é desenvolvido em suas especificidades a partir da definição antropológica do ser humano como síntese de elementos polares. A partir da descrição dos principais tipos de desespero, desenvolvida em conexão com o conceito de indivíduo, mostra-se que o desespero da a-espiritualidade pode ser lido também como descrição crítica da burguesia enquanto tipo social. São estabelecidas relações entre a burguesia e a cristandade dinamarquesa do século XIX e é mostrada a importância de elementos de crítica social em A Doença para a Morte. Tais elementos contribuem para a compreensão da relação entre indivíduo e sociedade no pensamento de Kierkegaard e, mais especificamente, para o entendimento da posterior polêmica de Kierkegaard com a igreja dinamarquesa e com a sociedade de seu contexto.

Palavras-chave


indivíduo, desespero, sociedade, burguesia, a-espiritualidade, cristandade

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122