A economia política de Bataille na era farmacopornográfica de Preciado

Pedro Farias Mentor

Resumo


O presente trabalho pretende tensionar os trabalhos de Monique Wittig, Christine Delphy, Adrienne Rich, Georges Bataille e Paul B. Preciado a partir do lugar onde o corpo está inserido na economia capitalista. A nossa hipótese é a de que Economia Restrita do capital (termo batailliano) passa pela reprodução social, a divisão sexual do trabalho e a heteronormatividade na forma de interstícios visando a organização a níveis macro e micro corporal os sujeitos que compõem sua maquinaria regulando desejos, ocupações de espaços, comportamentos e ações.



Palavras-chave


Aceleracionismo; Economia; Farmacopornografia; Pós-heterocisnormatividade;

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUZZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. Trad.: Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero - feminismo e subversão da identidade. Trad.: Renato Aguiar. 15 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017. (Sujeito e História)

BHATTACHARYA, Tithi. Tithi Bhattacharya: O que é a teoria da reprodução social?. Acesso em: https://esquerdaonline.com.br/2019/03/08/tithi-bhattacharya-o-que-e-a-teoria-da-reproducao-social/.

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. Trad.: Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Ed. 34, 2010. 560 p. (Coleção TRANS)

DELPHY, Christine. O inimigo principal: a economia política do patriarcado. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 17, p. 99-119, ago. 2015 .

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. Trad.: Sycorax. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

FERGUSON, Susan. Feminismos interseccional e da reprodução social: rumo a uma ontologia integrativa. Cadernos Cemarx, n. 10, p.13-38, 2017 [2016].

LAND, N. Fanged Noumena - Collected writings 1987-2007. Reino Unido: Urbanomic, 2011.

LATOUR, Bruno. Jamais Fomos Modernos. Trad.: Carlos Irineu da Costa. 3 ed. São Paulo: Editora, 34, 2013. (Coleção Trans)

MENTOR, P. F.. Representação, metafísica da substância e poder em Judith Butler. REVISTA PERIÓDICUS, v. 1, p. 127-138, 2019.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. 82 p. (Coleção: Cadernos da Diversidade - Volume 6)

NAVARRO-SWAIN, T. Desfazendo o "natural”: a heterossexualidade compulsória e continuum lesbiano. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 4, n. 05, 27 nov. 2012.

PLANT, Sadie & LAND, Plant. Cyberpositive. In: MACKAY, Robin & AVANESSIAN, Armen. #accelerate - the accelerationist reader. UK: Urbanomic, 2014. p. 303 - 313.

PRECIADO, P. B.. Testo Junkie - Sexo, drogas e bipolítica na era faramacopornográfica. Trad.: Maria Paula Gurgei Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2018.

SÁNCHEZMED, Karina Vergara. Sem heterossexualidade obrigatória não há capitalismo. Acesso em: https://medium.com/arquivo-radical/sem-heterossexualidade-obrigat%C3%B3ria-n%C3%A3o-h%C3%A1-capitalismo-c70168cbdd0c?fbclid=IwAR1qPHFCVJD4RJ_DFBiMs9hykGAIj2BdIEeAMK79xDHxDXMpMfLD-CCWGZA.

WITTING, Monique. O Pensamento Hétero. 2010. Trad.: não informada. Acesso em: http://mulheresrebeldes.blogspot.com/2010/07/sempre-viva-wittig.html.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122