Se o conceito intellectus e ratio greco-medieval de Tomás de Aquino correspondem ao que X. Zubiri chama de apreensão primordial de realidade e apreensões ulteriores de realidade

Marden Moura Lopes

Resumo


O objetivo deste artigo é argumentar se e de que modo X. Zubiri se sustenta na tradição filosófica Greco-medieval de Tomás de Aquino ao assumir, na sua teoria da Inteligencia Sentiente, modos de apreensão da realidade, que suscitam um modo primordial de apreensão e modos ulteriores de apreensão do real. A hipótese que orienta nosso artigo é propriamente guiada pela distinção que a Filosofia Clássica e Medieval faz entre intellectus e ratio, os quais seriam imagens teóricas da apreensão primordial da realidade e das apreensões ulteriores da realidade, caracterizando o seguimento inconteste de Zubiri à elaboração em jogo. Para tanto, nosso artigo se divide em três momentos a fim de elucidar a problemática: 1- apresentar o que X. Zubiri entende por apreensão primordial de realidade e apreensões ulteriores de realidade; 2- como Tomás de Aquino, na questão 79 da Suma de Teologia, articula a distinção grega de intellectus e ratio; 3- indicar se e como Zubiri assume a distinção em jogo.

Palavras-chave


Epistemologia; Metafísica;

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122