BIOPOLÍTICA E TRANSUMANISMO: esboço de um cenário distópico

Edivaldo Borges dos Santos Júnior

Resumo


este artigo tem como objetivo argumentar que o pós-humano, entidade almejada pelo transumanismo, é um risco à política conforme pode significar o fim de uma vida politicamente qualificada abrindo, pois, alas ao fenômeno da biopolítica.


Palavras-chave


Biopolítica; Paradigma da imunidade; Pós-humano; Transumanismo; Zoè.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

______. O uso dos corpos. Trad. Silvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2017.

BLACKBURN, Simon. Dicionário Oxford de Filosofia. Trad. Desidério Murcho et al.. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BOSTROM, Nick et al. Transhumanist Declaration. 2009. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2019.

BOSTROM, Nick et al. The Transhumanist FAQ. Versão 3.0. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2019.

ESPOSITO, Roberto. Bios: biopolítica e filosofia. Trad. M. Freitas da Costa. Lisboa: Edições 70, 2010.

JÚNIOR, E. B. dos S.. Preâmbulos de uma pós-humanidade. Revista Querubim (Online), v. 2, p. 117-120, 2019.

HAUSKELLER, Michael. Utopia. In: RANISCH, Robert; SORGNER, Stefan Lorenz. (Org.) Post- and Transhumanism: An Introduction. Frankfurt am Main et al: Peter Lang, 2014.

SNOOKS, Graeme. “Is Singularity a Scientific Concept, or the Construct of Metaphysical Historicism? Implications for Big History REVISED EDITION.” IGDS Working Paper Series, 2019. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122