A manipulação das mídias de massa e a armadilha do prático-inerte nas redes sociais em uma perspectiva sartriana

Fabio Caprio Leite de Castro

Resumo


As redes sociais tornaram possível um novo tipo de interação social. Trata-se de um modelo rápido e eficaz de comunicação e de exposição em um contexto dialógico virtual de amplo alcance. No entanto, a dimensão sedutora deste tipo de dispositivo se transforma numa verdadeira armadilha para a práxis, submetendo-a, através de discursos ideológicos, a um processo poderoso de alienação. Propõe-se neste contexto uma releitura da Crítica da Razão dialética de Sartre, a fim de mostrar, a partir do arcabouço teórico desta obra, que é possível alcançar a inteligibilidade do uso das redes sociais e de seus efeitos na coletividade. Em um primeiro ponto, faz-se uma revisão de como Sartre emprega dialeticamente o conceito de serialidade em sua descrição das mídias de massa. A seguir, interroga-se sobre a atualidade da perspectiva de Sartre para a inteligibilidade das redes sociais, especialmente considerando: i) a popularização dos programas de televisão, (ii) a transformação provocada pelo “paradigma da informação” e (iii) o uso das telas de celular. Com isso, mostra-se como a perspectiva crítica de Sartre pode ajudar a elucidar o funcionamento serial das redes sociais.


Palavras-chave


dialética crítica; serialidade; prático-inerte; redes sociais

Texto completo:

PDF

Referências


BAUDRILLARD, Jean. Tela total – Mito-ironias da era do virtual e da imagem. 2ª ed. Trad. Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 1999.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Vol. 1 – A era da informação: economia, sociedade e cultura. 6ª ed. Trad. Roneide Venancio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

EHRENBERG, Alain. Le culte de la performance. Paris: Hachette, 1991.

EHRENBERG, Alain. L’individu incertain. Paris: Hachette, 1995.

GASTAL, Fernando. Fracasso do projeto de ser. Burnout, existência e paradoxos do trabalho. Rio de Janeiro, 2012.

HAN, Byung-Chul. No enxame – Reflexões sobre o digital. Trad. Miguel Serras Pereira. Lisboa: Relógio d’água, 2016.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio. Trad. Miguel Serras Pereira e Ana Luísa Faria. Lisboa: Antropos, 1989.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos – O declínio do individualismo nas sociedades de massa. Trad. Maria de Lourdes Menezes. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

MOURA, Carlos Eduardo de. Psicanálise existencial, existencialismo e história – A dimensão sócio-material e a autenticidade no processo da construção de si. Curitiba: CRV, 2017.

PERDIGÃO, Paulo. Existência & Liberdade – Uma introdução à filosofia de Sartre. Porto Alegre: L&PM, 1995.

SANTOS, Vinícius dos. “Vida serial, êxtero-condicionamento e ideologia: uma análise dos ‘mass media’ pela ótica de Sartre”, Revista Sísifo, nº 5, 2017, pp. 96-113.

SARTRE, Jean-Paul. Critique de la Raison dialectique. Tome I – Théorie des ensembles pratiques. Paris : Gallimard, 1960.

SARTRE, Jean-Paul. Critique de la Raison dialectique. Tome II – L’intelligibilité de l’histoire. Paris : Gallimard, 1985.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122