Neoliberalismo: uma crítica a seus pressupostos antropológicos

Bruno Reikdal Lima

Resumo


O presente artigo tem como objetivo expor os pressupostos antropológicos, ou seja, a concepção de quem é o humano, assumidos pelos autores neoliberais para justificar seus programas e receituários. Ao invés de discutir primeiramente os efeitos econômicos e políticos dos programas neoliberais que emergem a partir dos anos de 1980 tanto em países periféricos como os latino-americanos, quanto em centrais como os Estados Unidos e a Inglaterra, pretendemos apresentar as bases teóricas assumidas por neoliberais como Hayek e Friedman, que tornam possível a sustentação desses projetos. Para tal, apresentaremos primeiramente um rápido histórico de advento do neoliberalismo para, em seguida, apresentar como este assume dos economistas neoclássicos a necessidade de os agentes econômicos atuarem coordenando meios para obter um fim eleito por preferências. Nesse ínterim, discutiremos como este conteúdo só pode ser aceito se determinada concepção antropológica é assumida concomitantemente. Por fim, faremos uma reflexão sobre tensões do receituário neoliberal com seus pressupostos na América Latina. Devemos ter em conta, contudo, que dado o escopo e o caráter sumário de nossa argumentação, não proporemos uma concepção antropológica alternativa, deixando esse passo crítico para outro momento, resguardando-nos a indicar referências para tal.

Palavras-chave


neoliberalismo, economistas neoclássicos, racionalidade

Referências


BAUTISTA, Juan José. Hacia la Descolonización de la ciencia social latinoamericana. Rincón Ediciones: La Paz - Bolivia, 2012.

DAIN, Sulamis. "Prefácio". In: SOARES, Laura Tavares Ribeiro. Ajuste neoliberal e desajuste social na América Latina. CLACSO/Editora Vozes: Petrópolis - RJ, 2001.

DRAPER, Melissa Crane; SCHULTZ, Jim [edt.]. Desafiando la globalización: Histórias de la experiencia boliviana. Plural Editores: La Paz - Bolivia, 2008

DUSSEL, Enrique. El humanismo helénico. Editorial Universitária de Buenos Aires: Buenos Aires - Argentina, 1975.

_____. Ética de la liberación en la edad de la globalización y la exclusión. Editorial Trotta: Madrid - Espanha, 1998.

_____. La producción teórica de Marx: un comentário a los “Grundrisse”. 2ª Edição. Siglo XXI: Bogotá – Colômbia, 1996.

FRIEDMAN, Milton. Capitalismo e liberdade. Abril: São Paulo – SP, 1984.

FRIEDMAN, Milton; FRIEDMAN, Rose. Livre para escolher. Tradução: Ligia Filgueiras. 4ª edição. Editora Record: Rio de Janeiro - RJ, 2017.

FURTADO, Celso. Criatividade e dependência da civilização industrial. Companhia das Letras: São Paulo - SP, 2008.

_____. O mito do desenvolvimento econômico. 6ª edição. Paz e Terra: São Paulo - SP, 1983.

GONÇALVES, Walter. Os (des)caminhos do meio ambiente. Contexto: São Paulo - SP, 2006.

HARVEY, David. O neoliberalismo: história e implicações. Trad.: Adail Sobral. Edições Loyola: São Paulo – SP, 2008.

HAYEK, Friedrich A. O caminho da servidão. 5ª ed. Trad.: Anna Maria Capovilla et. al. Instituto Liberal: Rio de Janeiro, 1991.

HERRERA, Rémy. “La teoría económica neoliberal y el desarrollo”. In: MR: vol. 158, n. 1, maio de 2006, pp. 55-69.

HINKELAMMERT, Franz. A maldição que pesa sobre a Lei: as raízes do pensamento crítico em Paulo de Tarso. Paulus: Sâo Paulo - SP, 2012.

_____. Coordinación social del trabajo: mercado y reproducción dela vida humana. DEI: San José - Costa Rica, 2001.

_____. La vida o el capital: el grito del sujeto vivo y corporal frente a la ley del mercado. CLACSO/ALAS: Buenos Aires - Argentina, 2017.

HINKELAMMERT, Franz.; MORA, Henry. Hacia una economia politica para la vida. DEI: San José - Costa Rica, 2005.

LIMA, Bruno Reikdal. Fetichização do poder como fundamento da corrupção: uma proposta a partir da filosofia latino-americana de Enrique Dussel. Editora Fi: Porto Alegre - Rio Grande do Sul, 2018.

MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. Tradução: Mario Duayer e Nélio Schneider. Boitempo: São Paulo – SP, 2011.

_____. O Capital: crítica da economia política - Tomo II: Coleção "Os Economistas". Tradução: Régis Barbosa e Flávio R. Kothe. Editorial Nova Cultural: São Paulo - SP, 1996.

NUNES, António José Avelãs. Uma introdução à economia política. Quartier: São Paulo - SP, 2007.

ODE. "Bolivia water management: a tale of three cities". In: Precis: World Bank Operations Evaluation Department: Washington - EUA, Primavera de 2002, n. 222, 2002

PREBISCH, Raul. Capitalismo periférico: crisis y transformación. Fondo de Cultura: Ciudad de México - México, 1981.

SHULTZ, Jim. "La guerra del agua em Cochabamba y sus secuelas". In: DRAPER, Melissa Crane; SCHULTZ, Jim [edt.]. Desafiando la globalización: Histórias de la experiencia boliviana. Plural Editores: La Paz - Bolivia, 2008.

SOARES, Laura Tavares Ribeiro. Ajuste neoliberal e desajuste social na América Latina. CLACSO/Editora Vozes: Petrópolis - RJ, 2001.

SUNG, Jung Mo. Economia y neoliberalismo: una economia sin corazon. DEI: San José - Costa Rica, 1993.

WALLERSTEIN, Immanuel. O fim do mundo como o concebemos: ciência social para o século XXI. Tradução: Renato Aguiar. Revan: Rio de Janeiro - RJ, 2002.

WEBER, Max. Textos selecionados: Coleção "Os Pensadores". Tadução Maurício Tragtenberg, Waltensir Dutra, Calógeras A. Ajuaba, M. Irene de Q. F. Smzercsányi e Tamás J. M. K. Szmercsányi. Editora Nova Cultural: São Paulo - SP, 1997.

ZANATTA, Loris. Uma breve história da América Latina. Cultrix: São Paulo – SP, 2017.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122