Bartleby morre.

Diego Guimarães

Resumo


Este artigo tem por objetivo investigar a morte de Bartleby a partir do uso que o filósofo Giorgio Agamben faz do personagem em suas obras, sobretudo ao desenvolver o conceito de potência-de-não em proximidade com o conceito de inoperosidade. Para tanto, exploram-se três questões: quem é Bartleby (personagem do conto Bartleby, o escrivão, de Herman Melville), como Agamben utiliza o personagem (como paradigma) e por que Agamben utiliza Bartleby (porque ele é o paradigma que mais intensamente expõe a potência-de-não inerente a todo ser humano e aponta, assim, para a inoperosidade). Como resultado da investigação, tem-se que Bartleby morre porque não consegue fazer da inoperosidade um gesto. Ele permanece no âmbito da potência absoluta e demora num abismo de possibilidades sem levá-las ao mundo. Bartleby é inoperante ao invés de inoperoso, e isso lhe custa a vida. Bartleby morre.


Palavras-chave


Agamben. Bartleby. Potência-de-não.

Referências


AGAMBEN, G. 2013. A comunidade que vem. Trad. C. Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 103 p.

________. 2015. A potência do pensamento: ensaios e conferências. Trad. A. Guerreiro. Belo Horizonte: Autêntica, 364 p.

________. 1988. Bartleby non scrive più: l’etica minima della libertà di non essere. Il Manifesto, Roma, 3 mar.

________. 1993. Bartleby o della contingenza. In: AGAMBEN, G. (ed.), Bartleby: la formula della creazione. Macerata: Quodlibet, p. 43-85.

________. 2015. Bartleby, ou da contingência. Trad. de V. N. Honesko. Belo Horizonte: Autêntica, 111 p.

________. 2012. Ideia da prosa. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 141 p.

________. 2002. O poder soberano e a vida nua. Trad. H. Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 197 p.

________. 2009. O que é um dispositivo? In: AGAMBEN, G. (ed.), O que o contemporâneo e outros ensaios. Trad. de V. N. Honesko. Chapecó: Argos, p. 25-54.

________. 2013. Opus Dei. Trad. de D. A. Nascimento. São Paulo: Boitempo, 144 p.

________. 2017. O uso dos corpos. Trad. de S. J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 324 p.

________. 1986. Quattro glosse a Kafka. Rivista di estetica, 22: 37-44.

________. 2008. Signatura rerum: sul metodo. Torino: Bollati Boringhieri, 174 p.

MELVILLE, H. 2005. Bartleby, o escrivão. Trad. I. Hirsch. São Paulo: Cosac Naify, 48 p.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122