O enigma do suicídio: um problema moral em Marx, Durkheim e Freud

Ícaro Gomes Silva (UFC)

Resumo


O artigo tem o objetivo de discutir as concepções do suicídio nas obras Sobre o suicídio de Karl Marx (com “coautoria” de Jacques Peuchet), O suicídio de Émile Durkheim e Luto e melancolia de Sigmund Freud. Podemos afirmar que ao longo da história da filosofia o tema foi trabalhado de duas maneiras: como uma questão moral e como uma questão existencial. As discussões sobre o suicídio se intensificaram entre o final do século XVIII e início do século XIX. Enquanto muitos trabalhos se concentraram nas consequências morais do ato suicida, outros pesquisadores se questionaram acerca da natureza das forças que atravessam o indivíduo ao ponto de levá-lo ao autoextermínio. Em suas concepções, Marx, Durkheim e Freud evitaram o determinismo e recusaram associá-lo ao pecado, noção defendida pela filosofia moral cristã. No entanto, este artigo sustenta a tese de que estes três autores continuaram operando no “eixo da moralidade”, apresentando o suicídio como um problema moral: é justamente a moral que permite uma enunciação teórica sobre o suicídio e o que os diferencia é, muito mais, um posicionamento diferenciado em relação à moral do que uma inovação radical da abordagem.

 

Histórico

Submissão (1a versão): 24/02/2017

Revisões requeridas: 10/05/2017

Submissão (2a versão): 05/06/2017

Aceito para publicação: 20/06/2017


Palavras-chave


Suicídio; Moral; Marx; Durkheim; Freud.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122