Colour experience: defesa do disposicionalismo de Peacocke

Rafael Godolphim Feijó (Unisinos), Sofia Inês Albornoz Stein (Unisinos/CNPq)

Resumo


Analisaremos as críticas feitas por Paul Boghossian and J. David Velleman (1989) à concepção disposicionalista de Christopher Peacocke (1984). Boghossian and Velleman criticam a premissa de Peacocke que afirma que as cores representadas no campo visual são meramente causadas por disposições dos objetos e, portanto, não têm uma referência objetiva ao mundo externo. Se isso fosse verdade, Peacocke não passaria de um pensador ingênuo, com uma concepção fenomenológica fraca da colour experience. Procurar-se-á mostrar que, no entanto, sua posição disposicionalista é defensável.

Palavras-chave


Experiência de cores; Disposicionalismo; Projetivismo

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122