Sentidos não psicológicos da phantasía aristotélica

Guilherme Kubiszeski (UnB)

Resumo


Este artigo visa a dois objetivos: 1) demonstrar a existência, na obra de Aristóteles, de sentidos do termo “phantasía” que não podem ser reduzidos a conceitos psicológicos; 2) analisar as possíveis dimensões filosóficos desses sentidos.


Palavras-chave


Phantasía; Aristóteles; Aparência.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122