Algumas considerações sobre a leitura de Paul Grice dos imperativos kantianos

Édison Martinho da Silva Difante (UPF e UFSM)

Resumo


O principal objetivo deste artigo é apresentar, mesmo que sumariamente, algumas considerações acerca da interpretação de Paul Grice aos imperativos kantianos. Estruturalmente, o texto está dividido em duas partes: primeiramente, retomando a argumentação de Kant presente na Fundamentação da metafísica dos costumes, busca-se não somente situar o conceito de imperativo no arcabouço de sua Filosofia prática, mas também estabelecer, nos termos kantianos, a devida distinção entre os imperativos hipotéticos e categórico. A segunda parte, por sua vez, busca tratar especificamente da exposição de Grice. Ao que parece, por um lado, a interpretação griceana é coerente, de modo que legitima o texto kantiano em vários pontos. Por outro lado, na medida em que Grice busca atribuir diferentes significados aos conceitos kantianos, fica praticamente explícita uma tentativa de superação à Ética de Kant, principalmente no que diz respeito ao formalismo da mesma. Em outras palavras, Grice parece retomar a crítica hegeliana ao formalismo kantiano.

Palavras-chave


Grice; Kant; Imperativos.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122