A representação dos personagens Lobo e Cordeiro nas fábulas de Esopo e Millôr Fernandes

Gesselda Somavilla Farencena, Cristiane Fuzer

Resumo


Neste trabalho, sob o enfoque da Gramática Sistêmico-Funcional, analisa-se a linguagem da fábula O Lobo e o Cordeiro em duas versões: uma escrita por Esopo; outra reescrita por Millôr Fernandes. Objetiva-se analisar as representações dos personagens Lobo e Cordeiro construídas pelos autores em cada uma das fábulas. Considerando que é por meio da metafunção ideacional experiencial que são construídas as representações de mundo e da experiência, utiliza-se o embasamento teórico de Halliday e Matthiessen (2004) sobre o sistema de transitividade. Do ponto de vista metodológico, focalizam-se a identificação e classificação dos processos e participantes e, em seguida, faz-se a discussão dos dados encontrados. A análise desses dados revela que, na fábula de Millôr Fernandes, Lobo e Cordeiro representam-se como Meta em relação ao outro, enquanto que o narrador apresenta o Lobo em orações comportamentais e orações verbais como inferior ao Cordeiro. Na fábula de Esopo, o narrador também representa o Lobo e o Cordeiro em posições alternadas de Meta e Ator, porém, o Lobo é representado, desde o início, como injusto e superior ao Cordeiro.

Palavras-chave: fábula, representação, transitividade.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6202 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues


 

SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo