O gênio maligno cartesiano e a impossibilidade da mentira monstruosa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4013/fsu.2021.223.02

Resumo

Neste artigo, trato da questão de saber se o gênio maligno poderia ter causado a ideia de Deus. Para determinar as capacidades do gênio maligno, realizo um experimento mental no qual reafirmo a conclusão de que um ser imperfeito nunca poderia ter causado uma ideia de perfeição e infinitude, ou seja, a ideia de Deus. O artigo está dividido em cinco seções e uma conclusão. Enquanto a primeira seção é introdutória, a segunda examina o problema de Deus e a certeza do conhecimento. Elucidando como a realidade é gradual de acordo com Descartes, na terceira seção trato da distinção entre realidade objetiva, formal e eminente. Por sua vez, na quarta seção, argumento que, se a realidade objetiva de Deus existe, isto é, uma ideia de perfeição, o gênio imperfeito do mal nunca poderia tê-la causado. A última seção examina o argumento reverso da quarta seção, a saber, se Deus poderia ter causado a existência do mal e da imperfeição.

Palavras-chave: Deus, gênio maligno, imperfeição.

Biografia do Autor

Rodrigo Alfonso González, Universidad de Chile, Chile

Professor Assistente na Faculdade de Filosofia e Humanidades da Universidade do Chile

Downloads

Publicado

2021-11-01

Edição

Seção

Artigos