O IMPACTO DO BREXIT NA UNIÃO FINANCEIRA EUROPEIA

Fabio da Silva Veiga, João Vieira dos Santos

Resumo


Com a crise financeira mundial de 2007, verificou-se que a soberania nacional dos Estados-membros da União Europeia, em termos de políticas financeiras e monetárias não acompanhou a globalização financeira. Assim, a ausência de harmonização e uniformização das políticas financeiras, com as consequentes falhas do mercado de capitais europeu, resultou da falta de supervisão, dada a falta de um instrumento comunitário que funcionasse como um “counterweight” face à instabilidade do sistema. O sector bancário acabou por ser o mais afetado, com o défice de liquidez e a consequente redução na concessão de crédito bancário, promovendo irremediavelmente a crise no mercado de capitais europeus, com consequências macroeconómicas que ainda estão por estudar. A União Financeira, por via dos mercados de capitais, aparece como a próxima etapa da da integração europeia e como imprescindível para a sobrevivência da União Económica e Monetária. Esta etapa, na nossa opinião, passou a ficar em risco com o Brexit, a possível saída do Reino Unido da União Europeia, através do Referendo de 23 de junho de 2016. Por esse motivo, abordamos neste artigo o problema de continuação do plano da União Financeira, sem o principal Estado-membro prestador de serviços financeiros, o Reino Unido, e sem o principal centro financeiro, Londres.


Referências


ANDERSON, Niki; BROOKE, Martin; HUME, Michael; KÜRTÖSIOVÁ, Miriam. A European Capital Markets Union: implications for growth and stability. Disponível em:

. Acesso em: 19 jan. 2018.

ATHAYDE, Augusto de; ATHAYDE, Augusto Alburquerque; ATHAYDE, Duarte de. Curso de direito bancário. 2. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2009. 605 p. ISBN 978- 9723217117.

BARRETO MENEZES CORDEIRO, A. Direito dos valores mobiliários. Coimbra: Almedina, 2015. (Manuais Universitários). ISBN 9724063275.

BARRETO MENEZES CORDEIRO, A. Organização e supervisão dos mercados financeiros. Revista de Direito das Sociedades, Ano VI, Número 3/4. 1. ed., Lisboa: Almedina, 2014 (Revistas, 9780060311056). Acesso em: 18 jan. 2018, p. 565–588.

BASEDOW, Jürgen. BREXIT and business law. China-EU Law Journal, v. 5, 3-4, p. 101– 118, 2017. doi:10.1007/s12689-017-0075-1.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga de Mello. O declínio de Bretton Woods e a emergência dos mercados "globalizados". Economia e sociedade: revista do Instituto de Economia da UNICAMP, p. 11–20, 1995.

BORDO, Michael D.; TAYLOR, Alan M.; WILLIAMSON, Jeffrey G. Globalization in historical perspective. Chicago: University of Chicago Press, 2003. 588 p. (National Bureau of Economic Research conference report). ISBN 0226065987.

BRÜHL, Volker; GRÜNDL, Helmut; HACKETHAL, Andreas; KOTZ, Hans-Helmut; KRAHNEN, Jan Pieter; TRÖGER, Tobias. Comments on the EU Commission's capital markets union project, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.

BUSCH, Danny. A Capital Markets Union for a Divided Europe. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018.

BUTTIGIEG, Christopher P. Governance of Securities Regulation and Supervision: Quo Vadis Europa? Columbia Journal of European Law, v. 21, p. 411–449, 2015. Disponível em: . Acesso em: 2 nov. 2015.

CÂMARA, Paulo. Manual de direito dos valores mobiliários. 3. ed. Coimbra: Almedina, 2016. 950 p. (Manuais Universitários). ISBN 9789724068138.

CASSON, Mark; LEE, John S. The Origin and Development of Markets: A Business History Perspective. Business History Review, v. 85, n. 1, p. 9–37, 2011. doi:10.1017/S0007680511000018.

DE AZEVEDO, Nuno Saldanha. Medidas de resolução no setor bancário: O novo paradigma da Diretiva 2014/59/EU. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018.

DOMINGUES, Paulo de Tarso. O capital social (ou a falta dele) nos Estados Unidos da América. Revista da Faculdade de Direito da Universidade do Porto, v. 6, p. 471–510, 2010.

FERNANDES, Ricardo Sá. O direito dos mercados em geral e o mercado de valores mobiliários em especial. In: JOSÉ FERREIRA, A. (Org.). Direito dos valores mobiliários, Lisboa: Lex, 1997. 464 p. ISBN 9789729495564, p. 189–199.

FERREIRA DA CUNHA, Ary. Combate à corrupção: Da teoria à prática. Lisboa: Quid Juris Sociedade Editora, 2015. 240 p. ISBN 9789727247127.

GORJÃO-HENRIQUES, Miguel. Direito da União: História, Direito, Cidadania, Mercado Interno e Concorrência. 7. ed. Coimbra: Almedina, 2014. (Manuais Universitários). ISBN 9789724055541.

GUTTENTAG, Jack; HERRING, Richard. Credit Rationing and Financial Disorder. The Journal of Finance, v. 39, n. 5, p. 1359–1382, 1984. doi:10.2307/2327732.

HERRING, Richard. Innovations to Enhance Liquidity: Implications for Systemic Risk.

LOBO, Carlos Baptista. Concorrência bancária? Coimbra: Almedina, 2001. 705 p. ISBN 9789724014593.

MANDALONIZ, María García. La financiación de las PYMES. Cizur Menor Navarra: Thomson/Aranzadi, 2003. 513 p. (Biblioteca de derecho positivo, 258). ISBN 8497670906.

MONCADA, Luís Cabral de. Os poderes de resolução do Banco de Portugal e o Banco Espírito Santo. Jurismat: Revista Jurídica, n. 6, p. 99–124, 2015. Disponível em: .

MORAIS, Luís Silva. Lei-Quadro das Autoridades Reguladoras: Algumas questões essenciais e justificação do perímetro do regime face às especificidades da supervisão financeira. Revista de Concorrência e Regulação: Ano V / N.o 17, Coimbra: Almedina, 2015. ISBN 9781700058010, p. 99–137.

PANAIT, Iulian. Towards the Capital Market Union. Hyperion Economic Journal, v. 3, n. 2, p. 38–44, 2015.

PEREIRA, José Nunes. Regulação e supervisão dos mercados de valores mobiliários e das empresas de investimento: Alguns problemas actuais. Boletim de Ciências Económicas, v. 40, 1997. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2018.

PORTO, Manuel Carlos Lopes. Teoria da Integração e Políticas Comunitárias: Face aos desafios da globalização. 4. ed. Coimbra: Almedina, 2009. 750 p. ISBN 9724037797.

QUELHAS, José Manuel. Sobre as crises financeiras, o risco sistémico e a incerteza sistemática. Coimbra: Almedina, 2013. 674 p. (Teses de doutoramento). ISBN 9724046222.

RINGE, Wolf-Georg. The Irrelevance of Brexit for the European Financial Market. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018.

SCHILLIG, Michael. Corporate Law after Brexit. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018.

SHAPIRO, Martin. Agencies in the European Union: An American Perspective. The New European Agencies: EUI working paper, RSC no. 96/49, San Domenico: European University Institute, 1996, p. 101–104.

SHILLER, Robert J. A Ética das Finanças. Lisboa: Bertrand Editora, 2015. ISBN 9789722529358. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2018.

SILVA, João Calvão da. Banca, bolsa e seguros: Direito europeu e português . Tomo I - Parte Geral. Coimbra: Almedina, 2013. 435 p. (Manuais Universitários). ISBN 9724053466.

TERRINHA, Luís Heleno. Necessidade, efectividade e legalidade da (nova) arquitectura europeia de supervisão financeira. Revista de Ciências Empresariais e Jurídicas, v. 21, p. 73–130, 2012. doi:10.26537/rebules.v0i21.966.

VALIANTE, Diego. Light and shadows in Europe’s new Action Plan for Capital Markets Union. ECMI Commentary No. 40/5 October 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 jan. 2018.

VEIGA, Fábio da Silva. “El gobierno de las sociedades y los derechos humanos de los stakeholders”, in: MIRANDA GONÇALVES, Rubén (Coord.). Derechos humanos y juventud, Santiago de Compostela: Xunta de Galicia, 2015.

VIRTUOSO, Tomás; GOUVEIA, Ana; MARTINS, Ana. A União dos Mercados de Capitais: Análise Crítica, 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 jan. 2018.

VEIGA, Fábio da Silva; SILVA, Érica Guerra. “Empresa e direitos humanos: da governança corporativa à responsabilidade social”, in: Revista Jurídica Luso-brasileira, ano 2, n. 4, Lisboa, 2016, p. 603-631. ISSN 2183-539X.


Texto completo: Sem título

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2526-9348. Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Av. Unisinos, 950, Cristo Rei, 93022-750, São Leopoldo, RS, Brasil. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122