RISCO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO CRIATIVO

André Rafael Weyermüller

Resumo


A necessidade de enfrentamento de fatores de risco leva a repensar a forma que se encara a importância da gestão do risco pelas empresas, as quais estão expostas a várias formasdiferentes de riscos, os quais podem ser financeiros, judiciais, ambientais entre outros. Uma nova dimensão de riscos nasce com os novos segmentos econômicos que têm por objeto a inovação e a criatividade, uma vez que muitos de seus produtos derivam de novas tecnologias que ainda não são totalmente conhecidas em suas possíveis consequências que podem gerar responsabilidades. Como os riscos podem tanto representar um ônus como oportunidades, o conhecimento amplo da atividade e a gestão adaptada às novas contingências é fundamental.


Referências


A cadeia da Indústria criativa no Brasil.

Disponível em: http://www.ufrgs.br/obec/assets/acervo/arquivo/a_cadeia_da_industria_criativa_no_brasil1.pdf. Acesso em 23 jun. 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Medo líquido. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BECK, Ulrich. La sociedad del riesgo mundial: en busca de la seguridad perdida. Barcelona: Paidós Ibérica, 2008.

BIOLCATI, Fernando Henrique de Oliveira. Critérios para a solução de conflitos de normas na disciplina das relações de consumo no transporte aéreo de passageiros. In: Socieddade de Risco e Direito Privado: Desafios normativos, conumeristas e ambientais. Organizadores: Teresa Ancona Lopez et al. São Paulo: Atlas, 2013.

Creative Economy report 2013. Unesco. Disponível em: http://www.unesco.org/culture/pdf/creative-economy-report-2013.pdf. Acesso em 23 jun. 2017.

HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. Tradução: Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOWKINS, John. Economia Criativa: Como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo: M.Books do Brasil Editora Ltda, 2013.

KLOEPFER, Michael. Umweltschutzrecht. München: Verlag C. H. Beck München, 2008.

Panorama da Economia Criativa no Brasil-IPEA 2013. Disponível em http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1880.pdf. Acesso em 23 jun. 2017.

LUHMANN, Niklas. Die Gesellschaft der Gesellschaft. Frankfurt am Main: Suhrkamp Taschenbuch Verlag, 1998.

LUHMANN, Niklas. Soziologie des risikos. Berlin; New York: De Gruyter, 1991.

MOTTA, Ronaldo Seroa da. Economia ambiental. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

O que é economia criativa. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-que-e-economia-criativa,3fbb5edae79e6410VgnVCM2000003c74010aRCRD. Acesso em 23 jun. 2017.

PADOVEZE, Clóvis Luis; BERTOLUCCI, Ricardo Galinari. Gerenciamento do risco corporativo em controladoria. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

Panorama da Economia Criativa no Brasil-IPEA 2013. Disponível em http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1880.pdf. Acesso em 23 jun. 2017.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A globalização da natureza e a natureza da globalização. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

ROCHA, Leonel Severo; SCHWARTZ, Germano; CLAM, Jean. (Org.). Introdução à teoria do sistema autopoiético do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2526-9348. Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Av. Unisinos, 950, Cristo Rei, 93022-750, São Leopoldo, RS, Brasil. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122