Capitais de midiatização: da circulação à propagação interativa

Autores

Palavras-chave:

midiatização, circulação, regimes de interação, capital, formas de vida, práticas em rede.

Resumo

Esse texto examina teoricamente a midiatização, no capitalismo comunicacional, em sua força de produção de mais-valor a partir da circulação em rede, considerando
aspectos socioculturais, econômicos e tecnológicos. Para tanto, visitaremos um
modelo multidirecional de análise da circulação, para depois debatermos a relação
entre midiatização e circuitos pulsionais de consumo; neste aspecto a psicanálise traz uma contribuição para o debate sobre a busca de gozo nas aventuras circulatórias das redes, seja em casos ligados diretamente ao consumo, como nas redes de desejo da gastronomia, como nos casos de polarização em que as controvérsias identitárias conduzem a uma produção de capital de grupo em torno da luta concreta contra o inimigo. Por fim, consideramos a importância dos fatores não econômicos na produção do mais-valor semiótico.

Biografia do Autor

José Luiz Aidar Prado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP

Professor do Programa de estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica da PUC-SP e editor de Galaxia.

Referências

BEIVIDAS, V. 2020. Psicanálise e semiótica: situação em 2020. Estudos Semióticos, São Paulo, FFLCH-USP, 16(1):11-30, jul. DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.167071.

BERTRAND, Denis. 2003. Caminhos da semiótica literária. Bauru,

Edusc.

BIRMAN, J. 2017. As pulsões e seus destinos: do corporal ao psí-

quico. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, E. 2009. O novo espírito do capitalismo. São Paulo, Martins Fontes.

BOURDIEU, P. 1983. Pierre Bourdieu. São Paulo, Ática. (Coleção

Grandes Cientistas Sociais, 39).

BRAGA, J.L. 2019. Midiatização & democracia – sistemas de rela-

ções no ambiente social. In: P.C. CASTRO (org.), Midiatização e

reconfigurações da democracia representativa. Campina Grande,

Eduepb, p. 56-75.

BRAGA, J.L. 2012. Circuitos versus campos sociais. In: M.A. MATTOS; J. JANOTTI JUNIOR; N. JACKS, Mediação & midiatização.

Livro Compós. Brasília/Salvador, EDUFBA/COMPÓS, p. 31-52.

CARLÓN, M. 2015. Público, privado e íntimo: el caso Chicas bondi y

el conflicto entre derecho a la imagen y libertad de expresión en

la circulación contemporánea. In: P.C. CASTRO (org,), Dicotomia público/privado: estamos no caminho certo? Maceió, Edufal,

p. 211-232.

CARLÓN, M. 2020. Tras los pasos de Verón... Un acercamiento

a las nuevas condiciones de circulación del sentido en la era

contemporánea. Galáxia, São Paulo, PUC-SP, 43:5-25, jan.-abr.

DOI: http://dx.doi.org/ 10.1590/1982-25532020146718

CINGOLANI, G.; FERNÁNDEZ, M. 2017. Mario Carlón. Después

del fin: una perspectiva no antropocéntrica sobre la post-TV, el

post-cine y youtube. Palavra Clave, 20(4):1165. DOI: 10.5294/

pacla.2017.20.4.13

DUFOUR, D.R. 2013. A cidade perversa. Rio de Janeiro, Civilização

Brasileira.

DUNKER, C. 2013. Uma gramática para a clínica psicanalítica. In: S.

FREUD, As pulsões e seus destinos. Belo Horizonte, Autêntica,

p. 135-158.

FONTANILLE, J. 2017. Corpo e sentido. Londrina, Eduel.

FONTENELLE, I. 2020. Redes de desejo ou de gozo? Experiência de

consumo e novos agenciamentos tecnológicos. RAE, São Paulo,

FGV, 60(4):299-306, jul.-ago. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/

S0034-759020200406.

FONTENELLE, I. 2017. Cultura do consumo: fundamentos e formas

contemporâneas. São Paulo, FGV.

FREUD, S. 2014. Conferências introdutórias à psicanálise. São Paulo,

Cia das Letras.

FREUD, S. 2013. As pulsões e seus destinos. Belo Horizonte, Autêntica.

FREUD, S. 2011. Psicologia das massas e análise do eu. São Paulo,

Cia das Letras.

GREIMAS, A.J.; COURTÉS, J. 2008. Dicionário de Semiótica. Campinas, Contexto.

JAEGGI, R. 2018. Critique of forms of life. London, The Belknap

Press of Harvard University Press.

JAEGGI, R. 2017. A wide concept of economy: economy as a social

practice and the critique of capitalism. In: P. DEUTSCHER.; C.

LAFONT, Critical Theory in critical times: transforming the global political & economic order. New York, Columbia University

Press, p. 160-179.

JAEGGI, R.; FRASER, N. 2020. Capitalismo em debate: Uma conversa na teoria crítica. São Paulo, Boitempo.

JENKINS, H. 1992. Textual poachers: television and participatory culture. New York, Routledge.

KOZINETS, R.; PATTERSON, A.; ASHMAN, R. 2017. Networks

of desire: how technology increases our passion to consume.

Journal of Consumer Research, Oxford University Press,

:659-682. DOI: 10.1093/jcr/ucw061

LACAN, J. 1999. O Seminário. Livro 5: As formações do inconsciente. Rio de Janeiro, Zahar.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. 2015. Hegemonia e estratégia socialista.

São Paulo, Intermeios.

LANDOWSKI, E. 2014. Interações arriscadas. São Paulo, Estação das

Letras e Cores.

LUDERER, C. 2017. Memória: sintoma do mal-estar da onivoridade.

In: J.L.A. PRADO; V. PRATES, Sintoma e fantasia no capitalismo comunicacional. São Paulo, Estação das Letras e Cores,

p. 171-194.

NACCARATO, P.; LEBESCO, K. 2012. Culinary Capital. London/New

York, Berg.

PRADO, J.L.A. 2019. Perversão clean na cultura do consumo. Revista

Matrizes, São Paulo, EXA-USP, 13(1):49-70.

PRADO, J.L.A.; PRATES, V. 2021. Regimes passionais do MBL na

eleição presidencial de 2018. Revista e-Compós. No prelo.

ZILBERBERG, C.; FONTANILLE, J. 2001. Tensão e significação. São

Paulo, Humanitas/USP

Downloads

Publicado

2021-03-06