Apropriações, impropriedades editoriais e produções cartográficas relativas à representação do Rio de la Plata em atlas neerlandeses do século XVII

Protásio Paulo Langer

Resumo


Este artigo propõe analisar alguns aspectos de caráter editorial, comercial e intelectual concernentes à produção e à circulação de duas cartas geográficas do século XVII que representam o Paraguai, também conhecido como Rio de la Plata, quais sejam: 1) Paraguay, ó prov. de Rio de la Plata cum regionibus adiacentibus. Tucuman et S.ta Cruz de la Sierra; e 2) Paraquaria vulgo Paraguay. Cum adjacentibus. A produção cartográfica, o contexto da indústria gráfica editorial neerlandesa, as inconsistências entre os mapas (textos visuais) e os textos corográficos correlatos constituem uma das frentes do debate. Paralelamente, é analisada e criticada a atitude de apropriação pró-jesuítica, por parte da historiografia rio-platense – que se consolidou na esteira da produção intelectual de Guillermo Furlong S. J. na primeira metade do século XX – diante dos referidos mapas. As fontes são, primordialmente, os mapas e os livros, (principalmente os Atlas) em que as referidas cartas geográficas foram reiteradas vezes publicadas. A abordagem teórica dialoga com historiadores filiados à Nova História Cultural – com destaque para Roger Chartier – com historiadores da arte e da cartografia.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4013/hist.2020.243.10



ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues
 
 
 
 
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 

SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo