Desfazendo a trama das imagens técnicas: crítica da visibilidade midiática segundo Harun Farocki

César Geraldo Guimarães, Luís Flores

Resumo


A partir de uma reflexão em torno dos filmes Indústria e fotografia (1979), Como se vê (1986) e Contra-música (2004), de Harun Farocki, este artigo examina de que modo o artista tece entre a fotografia, o cinema e outros dispositivos técnicos uma intricada rede de relações político-econômicas que prefiguram e caracterizam a audiovisibilidade contemporânea. Por meio das operações da montagem e do uso do comentário, Farocki investiga diversas incidências das mídias audiovisuais no campo da experiência humana, direcionando sua crítica ao gradativo aperfeiçoamento técnico das máquinas, desde os primeiros processos industriais até o surgimento de dispositivos guiados pela imagem calculada.

Palavras-chave: Mídias audiovisuais. Cinema. Harun Farocki.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4013/fem.2020.222.03



ISSN: 1984-8226 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues


Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo