A interseccionalidade e o entrecruzamento de violências epistêmicas no videoclipe ‘Mandume’

Lucianna Furtado

Resumo


Este artigo discute o videoclipe Mandume (2016), dos rappers Emicida, Drik Barbosa, Amiri, Rico Dalasam, Muzzike e Raphão Alaafin, e direção de Gabi Jacob, de maneira fundamentada pelo aporte teórico-metodológico da interseccionalidade. Essa abordagem é evocada pelos próprios rappers em seus versos no videoclipe, ao relatarem suas vivências dos entrecruzamentos de identidades sociais como eixos de opressão, exclusão e violência epistêmica. Para isto, é apresentada uma breve investigação da elaboração da interseccionalidade no contexto dos movimentos sociais e sua posterior incorporação pelo saber acadêmico, relacionando as contribuições de feministas negras estadunidenses às produções brasileiras sobre essa abordagem. A partir dessa fundamentação, são discutidos os relatos testemunhais dos rappers, permitindo que a interseccionalidade evidencie sua potência e as contradições no conjunto do videoclipe.

Palavras-chave: Interseccionalidade. Racismo. Feminismo negro.


Texto completo: PDF



ISSN: 1984-8226 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues


Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo