Imagens e a regulação da comoção: vulnerabilidade e testemunho

Leandro R. Lage

Resumo


O objetivo deste trabalho é refletir sobre o apelo compassivo, a força política e a dimensão testemunhal das fotografias do menino sírio Aylan Kurdi, feitas pela fotógrafa turca Nilüfer Demir em setembro de 2015, na praia de Ali Hoca, em Bodrum, na Turquia. Num primeiro momento, distingue-se essas fotografias na esteira das chamadas “imagens do trauma”, ou hiperimagens. Em seguida, destaca-se uma espécie de tópica em torno da qual algumas dessas imagens parecem se reunir, a saber, a presença ostensiva e expressiva de crianças como sujeitos sofredores na construção visual dos apelos compassivos. Argumenta-se, então, sobre a capacidade que imagens como as do menino sírio têm para comunicar a precariedade de certas vidas. Por fim, analisamos a fotografia à luz do potencial político do testemunho e do próprio significado da fotografia enquanto resto.

Palavras-chave: Imagem. Comoção. Vulnerabilidade. Testemunho.


Texto completo: PDF



ISSN: 1984-8226 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues


Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo