Por uma ‘proximidade crítica’ nos estudos em Linguística Aplicada

Luiz Paulo da Moita Lopes, Branca Falabella Fabrício

Resumo


Este artigo defende a necessidade de proximidade crítica em Linguística Aplicada com base na desconstrução de uma episteme ocidentalista que separa pesquisa, pesquisador e poder. Tal crença nos levou à prefiguração de um pesquisador branco, heterossexual, e masculino, construtor de ‘verdades científicas’. Na modernidade em transição em que nos situamos, esses ideais são perturbados tendo em vista as mudanças e perplexidades sociais que nos desafiam cotidianamente e que destronam os modos tradicionais de produzir conhecimento. Argumentamos a favor da importância do questionamento de ideologias linguísticas e epistemológicas comprometidas com qualquer significado de transparência teórica. Ao concluir, apresentamos a imaginação utópica como um exercício epistemológico de proximidade crítica que é central em face de seus possíveis ganhos transgressivos.

Palavras-chave: proximidade crítica; modernidade em transição; imaginação epistemológica.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6202 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues


 

SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo