Originalismo democrático como modelo interpretativo da Constituição brasileira

José Rodrigo Rodriguez

Resumo


A partir da constatação de que o debate constitucional brasileiro ainda não desenvolveu teorias a respeito de sua realidade constitucional e tende a fazer uso de modelos criados em contextos diferentes, este texto apresenta o originalismo democrático como modelo para a interpretação da Constituição brasileira. O originalismo democrático advoga que as características plurais e inclusivas da Assembleia Nacional Constituinte brasileira que produziu uma constituição sem vencedores, devem ser transformadas em um princípio interpretativo e de construção institucional marcado pela ideia de máxima inclusividade situada. Tal visão da intepretação exige que ela deixe de ser vista apenas como atividade individual e hermenêutica e passa a ser vista como uma atividade coletiva e participativa coma utilização de novos mecanismos institucionais para dialogar com a esfera pública.

 


Referências


ÁVILA, H. 2015. Teoria dos Princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. São Paulo, Malheiros.

BERMAN, P. S. 2012. Global Legal Pluralism: A Jurisprudence of Law Beyond Borders. Cambridge, Cambridge University Press.

BISCH, I. da C. O. 2010. Amicus Curiae, as Tradições Jurídicas e o Controle de Constitucionalidade: Um estudo comparado à luz das experiências americana, europeia e brasileira. Porto Alegre, Livraria do Advogado.

BONAVIDES, P. 2006. Curso de Direito Constitucional. São Paulo, Malheiros.

CARDOSO, R. M. 2017. A Participação Popular na Constituinte de 1987-1988. Rio de Janeiro, Lumen Juris.

HOLANDA, S. B. de. 1991. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro, Jose Olympio.

DWORKIN, R. 2007. O Império do Direito. São Paulo, Martins Fontes.

FACHIN, L. E. 2015. Direito Civil: sentidos, formação e fim. Rio de Janeiro, Renovar.

FERREIRA, S. L.; FERNANDES, E. B. D. 2013. O STF nas "Cortes" Victor Nunes Leal, Moreira Alves e Gilmar Mendes. Revista Direito GV, 9(1): 23-45.

GODOY, M. G. 2017. Devolver a Constituição ao Povo: crítica à supremacia judicial e diálogos institucionais. Belo Horizonte, Fórum.

GUIMARAES, A. S. A. 2004. Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de Antropologia, 47(1):9-43.

GRAU, E. 2008. A Ordem Econômica na Constituição de 1988. São Paulo, Malheiros.

KAUFMANN, A. 2004. Filosofia do Direito. Lisboa, Fundação Calouste Gulbekian.

LASSALLE, F. 2013. A Essência da Constituição. Rio de Janeiro, Lumen Juris.

LUNARDI, S; DIMOULIS, D. 2013. Teorias Explicativas da Constituição Brasileira. In: O. V. Vieira et alii. Resiliência Constitucional: Compromisso maximizador, consensualismo político e desenvolvimento gradual. São Paulo, Direito GV, p. 11-17.

NETO, C. P. de S.; SARMENTO, D. 2015. Controle de Constitucionalidade e Democracia: Algumas teorias e parâmetros do ativismo. In: D. Sarmento (org.), Jurisdição Constitucional e Política. Rio de Janeiro, Forense, p. 73-114.

NOBRE. M. 2013. Imobilismo em Movimento: Da democratização ao governo Dilma. São Paulo, Companhia das Letras.

NOBRE, M. 2008. Indeterminação e Estabilidade. Novos Estudos CEBRAP, 82:97-106,.

PILATTI, A. 2008. A Constituinte de 1987-1988. Progressistas, conservadores, ordem econômica e regras do jogo. Rio de Janeiro, Lumen Juris/Editora PUC-Rio.

PINTO, M. B. 2009. Constituição e Democracia. Rio de Janeiro, Renovar.

RODRIGUEZ, J. R. 2013. A desintegração do status quo: direito e lutas sociais. Novos Estudos – CEBRAP, 96:49-66.

SARNEY, J. A Constituição tornou o país ingovernável. Conjur, 14 de setembro de 2008, http://www.conjur.com.br/2008-set-14/constituicao_88_tornou_pais_ingovernavel_sarney, consultado em 10 de Agosto de 2015.

SILVA, J. A. da. 1998. Aplicabilidade das normas constitucionais. 3 ed. São Paulo, Malheiros.

SLAUGHTER, A.-M. 2003. A Global Community of Courts. Harvard International Law Journal, 44(1):191-220.

VICTOR, M. A. M.; CAVALLI, A. C.; GUILLAUMON, J. R.; FILHO, R. S. 2005. Cem Anos de Devastação Revisitada 30 Anos Depois. Brasília, Ministério do Meio Ambiente.

VIEHWEG, T. 1978. Tópica e jurisprudência. Brasília, Departamento de Imprensa Nacional.

VIEIRA, O. V. et alii. 2013. Resiliência Constitucional: Compromisso maximizador, consensualismo político e desenvolvimento gradual. São Paulo, Direito GV.


Texto completo: PDF



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo