São os direitos sociais “direitos públicos subjetivos”? Mitos e confusões na teoria dos direitos fundamentais

Daniel Wunder Hachem

Resumo


O artigo pretende desconstruir alguns mitos que integram o senso comum teórico da teoria dos direitos fundamentais e refutar o enquadramento simplista dos direitos fundamentais sociais no conceito de “direito público subjetivo”, em geral realizado como forma de conferir a tais direitos um grau mais elevado de exigibilidade. Por meio de uma análise histórica da construção da categoria “direito público subjetivo”, busca-se demonstrar que tal figura já se revela insuficiente para descrever a feição contemporânea assumida pelos direitos fundamentais, uma vez que, desde o prisma jurídico-dogmático, todos os direitos fundamentais (tanto os “de liberdade”, quanto os “sociais” e os “transindividuais”) possuem na atualidade uma natureza jurídica complexa, marcada por uma dupla dimensão (subjetiva e objetiva) e por uma multifuncionalidade. Conclui-se que embora a ideia de “direito público subjetivo” tenha sido útil e importante para ampliar a tutela dos direitos fundamentais, ela é hoje insuficiente para conferir-lhes plena efetividade, sendo imprescindível a compreensão da estrutura complexa de tais direitos e de elementos como a distinção entre texto, norma e direito fundamental e a diferenciação entre “direito fundamental como um todo” e “pretensão jurídica jusfundamental”.


Referências


BRITO FILHO, J. C. M. de. 2013. A Universalidade como Característica Natural dos Direitos Humanos. Revista Ensinagem, 2(2):11-31.

ABRAMOVICH, V.; COURTIS, C. 2004. Los derechos sociales como derechos exigibles. 2. ed. Madrid, Trotta.

ALEXY, R. 2007. Teoría de los derechos fundamentales. 2. ed. Madrid, Centro de Estudios Políticos y Constitucionales.

ALEXY, R. 2014. Teoria dos direitos fundamentais. 2. ed. Trad. Virgílio Afonso da Silva. São Paulo, Malheiros.

ALMEIDA, F. D. M. de. 2001. Liberdade de reunião. São Paulo, Max Limonad.

_____. 2011. Dez ideias sobre a liberdade, extraídas da obra de Manoel Gonçalves Ferreira Filho. In: C. B. Horbach; F. D. M. de Almeida; J. L. M. do Amaral Júnior; R. S. Leal (Orgs.), Direito Constitucional, Estado de Direito e Democracia: homenagem ao Prof. Manoel Gonçalves Ferreira Filho. São Paulo, Quartier Latin.

AMARAL, F. 2003. Direito Civil: introdução. 5. ed. Rio de Janeiro, Renovar.

AMARAL, G. 2001. Direitos, escassez e escolha: em busca de critérios jurídicos para lidar com a escassez de recursos e as decisões trágicas. Rio de Janeiro, Renovar.

ANDRADE, J. C. V. de. 2012. Os direitos fundamentais na Constituição Portuguesa de 1976. 5. ed. Coimbra, Almedina.

ARAÚJO, L. F. D. 2018. O ativismo judicial e constrangimentos a posteriori. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):129-150.

AVILA, Ana Paula Oliveira; MELO, Karen Cristina Correa de. 2018. Separação de poderes e diálogos institucionais nos litígios envolvendo o direito à saúde. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):83-108.

BACELLAR FILHO, R. F. 2007. Direito Administrativo e o Novo Código Civil. Belo Horizonte, Fórum.

BARBOSA, A. E. I.; LIMA, M. M. B. 2018. Influência das teorias dos diálogos institucionais e da última palavra provisória no pensamento constitucional brasileiro contemporâneo. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):109-128.

BARROSO, L. R. 2005. A doutrina brasileira da efetividade. In: L. R. Barroso. Temas de direito constitucional. Rio de Janeiro, Renovar.

_____. 2012. Curso de Direito Constitucional contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 3. ed. São Paulo, Saraiva.

BERNAL PULIDO, C. 2007. El principio de proporcionalidad y los derechos fundamentales. 3. ed. Madrid, Centro de Estudios Políticos y Constitucionales.

BONNARD, R. 1932. Les droits publics subjectifs des administrés. Revue du droit public et de la Science politique en France et a l’étranger, 49:695-728.

CLÈVE, C. M. 2000. A fiscalização abstrata da constitucionalidade no direito brasileiro. 2. ed. São Paulo, Revista dos Tribunais.

DIAS, D. M. F. 2012. O direito público subjetivo e a tutela dos direitos fundamentais sociais. Revista Jurídica da Presidência, 14(102): 233-250.

DÍEZ-PICAZO, L. M. 2008. Sistema de derechos fundamentales. 3. ed. Madrid, Thomson Civitas.

DWORKIN, R. 2010. Levando os direitos a sério. 3. ed. São Paulo, Martins Fontes.

FERREIRA FILHO, M. G. 2012. Direitos humanos fundamentais. 14. ed. São Paulo, Saraiva.

FERRARI, R. M. M. N. 2001. Normas constitucionais programáticas: normatividade, efetividade, operacionalidade. São Paulo, Revista dos Tribunais.

GARCÍA DE ENTERRÍA, E. 1975. Sobre los derechos públicos subjetivos. Revista Española de Derecho Administrativo, 6:427-448.

GAVARA DE CARA, J. C. 2010. La dimensión objetiva de los derechos sociales. Barcelona, Bosch Editor.

GIDI, A. 1995. Coisa julgada e litispendência em ações coletivas. São Paulo, Saraiva.

HACHEM, D. W. 2013. A dupla titularidade (individual e transindividual) dos direitos fundamentais econômicos, sociais, culturais e ambientais. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, 14(14):618-688.

HACHEM, D. W.; KALIL, G. A. de A. 2016. O direito fundamental social à educação e sua maximização por meio da função extrafiscal dos tributos: o exemplo do Programa Universidade para Todos (Prouni). A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 16(66):153-177

HOLMES, S.; SUNSTEIN, C. 2011. El costo de los derechos: por qué la libertad depende de los impuestos. Buenos Aires, Siglo Veintiuno.

JELLINEK, G. 1892. System der subjektiven öffentliche Rechte. Freiburg, [s.n.].

_____. 1912. Sistema dei diritti pubblici subbiettivi. Milano, Società Editrice Libraria.

KRELL, A. J. 2002. Direitos sociais e controle judicial no Brasil e na Alemanha: Os (des)caminhos de um Direito Constitucional “Comparado”. Porto Alegre, Sergio Antonio Fabris Editor.

LEAL, M. C. H.; MORAES, M. V. de. 2018. Diálogo” entre Poderes no Brasil? Da inconstitucionalidade da regulação da vaquejada à vaquejada como patrimônio cultural imaterial brasileiro: uma análise crítica. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):63-81.

LIMA, F. D. S.; GOMES NETO, J. M. W. 2018. Autocontenção à brasileira? Uma taxonomia dos argumentos jurídicos (e estratégias políticas?) explicativo(a)s do comportamento do STF nas relações com os poderes majoritários. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):221-247.

LOPES, A. M. D.; LIMA, G. R de. 2018. A aplicação do princípio da reserva do possível às empresas privadas delegatárias prestadoras de serviços públicos essenciais. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 18(73):75-95.

MANCUSO, R. de C. 2004. Interesses difusos: conceito e legitimação para agir. 6. ed. São Paulo, Revista dos Tribunais.

MARIANO, C. M.; FURTADO, E. T.; ALBUQUERQUE, F. B.; PEREIRA, F. H. C. da S. 2018. Diálogos Sanitários Interinstitucionais e a experiência de implantação do NAT-JUS. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):169-188.

MARINONI, L. G. 2004. Técnica processual e tutela dos direitos. São Paulo, Revista dos Tribunais.

MELLO, C. A. B. de. 2009. Eficácia das normas constitucionais e direitos sociais. São Paulo, Malheiros.

MIRANDA, J. 2008. Manual de Direito Constitucional. Tomo IV: Direitos Fundamentais. 4. ed. Coimbra, Coimbra Editora.

NOVAIS, J. R. 2003. As restrições aos direitos fundamentais não expressamente autorizadas pela Constituição. Coimbra, Coimbra Editora.

_____. 2006. Direitos como trunfos contra a maioria: sentido e alcance da vocação contramaioritária dos direitos fundamentais no Estado de Direito Democrático. In: J. R. Novais. Direitos fundamentais: trunfos contra a maioria. Coimbra, Coimbra Editora.

_____. 2010. Direitos sociais: teoria jurídica dos direitos sociais enquanto direitos fundamentais. Coimbra, Coimbra Editora.

PEREIRA, A. L. P. 2014. Reserva do possível: judicialização de políticas públicas e jurisdição constitucional. Curitiba, Juruá.

PÉREZ LUÑO, A. E. 2005. Derechos humanos, Estado de Derecho y Constitución. 9. ed. Madrid, Tecnos.

PINTO, I. L. F. 2013. Liberdade de expressão, Lei de Imprensa e discurso do ódio: da restrição como violação à limitação como proteção. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 13(53):195-229.

PIOVESAN, F. 2007. Direitos humanos e justiça internacional: um estudo comparado dos sistemas regionais europeu, interamericano e africano. São Paulo, Saraiva.

QUIROGA LAVIÉ, H. 1985. Los derechos públicos subjetivos y la participación social. Buenos Aires, Depalma.

RÁO, V. 1991. O direito e a vida dos direitos. Vol. 2 – Teoria Geral do Direito Subjetivo. Análise dos elementos que constituem os direitos subjetivos. 3. ed. São Paulo, Revista dos Tribunais.

RIBEIRO, L. M.; HARTMANN, I. A. 2016. Judicialization of the right to health and institutional changes in Brazil. Revista de Investigações Constitucionais, 3(3): 35-52.

SARLET, I. W. 2010. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 10. ed. Porto Alegre, Livraria do Advogado.

SARLET, I. W.; TIMM, L. B. (Coords.). 2010. Direitos fundamentais: orçamento e “reserva do possível”. 2. ed. Porto Alegre, Livraria do Advogado.

SARMENTO, D. 2004. Direitos fundamentais e relações privadas. Rio de Janeiro, Lumen Juris.

SCHIER, P. R.; SCHIER, A. da C. R. 2018. Direitos sociais, reserva do possível e o mínimo existencial: a aporia do meio adequado de satisfação. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 18(74):67-96.

SGARBOSSA, L. F. 2010. Crítica à teoria dos custos dos direitos. Vol. 1: Reserva do possível. Porto Alegre, Sergio Antonio Fabris Editor.

SILVA, V. A. da. 2005. A constitucionalização do direito: os direitos fundamentais nas relações entre particulares. São Paulo, Malheiros.

_____. 2008. O Judiciário e as políticas públicas: entre transformação social e obstáculo à realização dos direitos sociais. In: C. P. de Souza Neto; D. Sarmento (Coords.), Direitos sociais: fundamentos, judicialização e direitos sociais em espécie. Rio de Janeiro, Lumen Juris.

TRINDADE, A. A. C. 1997. Tratado de Direito Internacional dos Direitos Humanos. v. I. Porto Alegre, Sergio Antonio Fabris Editor.

VALLE, V. R. L. do; DIAS, P. do E. S. de O. 2018. Indeterminação dos direitos sociais e os desafios à efetividade: uma visão empírica. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 18(73):207-228.

VENTURI, E. 2007. Processo civil coletivo: a tutela jurisdicional dos direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos no Brasil. São Paulo, Malheiros.

VIEIRA, J. R.; EMERIQUE, L. M. B.; BARREIRA, J. H. 2018. Constitucionalismo popular: modelos e críticas. Revista de Investigações Constitucionais, 5(3):277-302.

VILLEY, M. 2009. A formação do pensamento jurídico moderno. São Paulo, Martins Fontes.

ZAGREBELSKY, G. 2007. El derecho dúctil. Ley, derechos, justicia. 7. ed. Madrid, Trotta.

ZANCANER, W. 2011. Limites e confrontações entre o público e o privado. In: R. F. Bacellar Filho (Coord.), Direito Administrativo Contemporâneo: estudos em memória ao Professor Manoel de Oliveira Franco Sobrinho. 2. ed. Belo Horizonte, Fórum.


Texto completo: PDF



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo