A confirmação de um percurso: o sistema da medicina e a prevenção – uma análise a partir da teoria dos sistemas sociais

Gabrielle Jacobi Kolling, Leonel Severo Rocha, Gustavo André Olsson

Resumo


São constantes as inquietações relacionadas à operação dos sistemas da medicina e da saúde, o tema foi observado por Luhmann de modo bastante generalista, visto que foi um dos últimos sistemas a ser estudado pelo autor. Contemporaneamente, especialmente a partir da tradução do capítulo de Luhmann sobre a medicina, iniciaram-se as diferentes abordagens sistêmicas sobre o sistema da medicina. O desassossego da operação do sistema da medicina está associado ao papel curativo que ela desempenha. Em tese, nessa análise, não haveria referência ao papel preventivo e, tampouco, a sua relação com o sistema da saúde. Esse foi o objetivo do artigo: analisar os limites dessa relação e indicar como a prevenção está inserida nesse contexto. O presente artigo é fruto da evolução do percurso de pesquisa traçado pelos autores, que em momento anterior realizaram uma analítica do sistema da medicina e da sua operacionalidade a partir do seu código binário próprio, com o intuito de visualizar o espaço da prevenção na relação do sistema médico com o sistema da saúde no contexto da Teoria dos Sistemas Sociais. O artigo apresentou a confirmação desse percurso teórico, utilizando a vacinação como locus privilegiado para a observação da relação da prevenção com o sistema da medicina e da saúde.


Referências


BRETON, D. L. 2017. A Sociologia do Corpo. Petrópolis, Vozes.

BUSS, P. M. 2003. Uma introdução ao conceito de Promoção da Saúde. In: D. Czeresnia; C. M. Freitas (orgs.), Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, p. 15-38.

CORSI, G.; BARALDI, C.; ESPOSITO, E. 1996. Luhmann in Glossario: i concetti fondamentali della teoria dei sistemi sociali. Milano, FrancoAngeli.

FOUCAULT, M. 2010. Os Anormais. 2º ed. São Paulo, WMF Martins Fontes.

GUILLOD, O.; SPRUMONT, D. 1996. Le Droit à Ia Santé: un droit en emergence. In: P. Zen-Ruffinen; A. Aver (Eds), De la Constitution: études en I’honneur de Jean-François Aubert. Berne, Helbing & Lichtenhahn.

HERZLICH, C. 2004. Saúde e doença no início do século XXI: entre a experiência privada e a esfera pública. Physis, 14(2):383-394.

Disponível em: . Acesso em: 22/04/2017.

LESSA, S. de C.; SCHRAMM, F. R. 2015. Proteção individual versus proteção coletiva: análise bioética do programa nacional de vacinação infantil em massa. Ciência & Saúde Coletiva, 20(1):115-124. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232014201.14882013.

LUHMANN, N. 1990. Sociedad y Sistema: la ambición de la teoria. Barcelona, Paidós.

LUHMANN, N. 1997. O conceito de sociedade. In: C. B. Neves; E. M. B. Samios (Orgs), Niklas Luhmann: a nova teoria dos sistemas. Porto Alegre, UFRGS.

LUHMANN, N. 2000. La Realidad de los Medios de Masas. Barcelona, Anthropos Editorial.

LUHMANN, N. 2007. La Sociedad de la sociedad. México, Editorial Herder.

LUHMANN, N. 2015. Il codice della medicina. In: G. Corsi (org.), Salute e malattia nella teoria dei sistemi. Milano, Franco Angeli, p. 40-51.

LUHMANN, N.; DE GIORGI, R. 1996. Teoria della società. Milão, Franco Angeli.

MANSILLA, D. R. 2001. La Teoría de la Sociedad: invitación a la sociología de Niklas Luhmann. Metapolítica, 5(20):42-51.

MARTINI, S. 2015. Sistema da Saúde e Transformação Social. In: S. Martini (coord.), Saúde, Direito e Transformação Social: um estudo sobre o Direito à Saúde no Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Livraria do Advogado.

MARTINI, S. R. 2015. Sistema social da saúde e a Teoria Sistêmica de Luhmann. Revista de Direito sanitário, 16(1):112-127.

MATURANA, H.; VARELA, F. 1997. De Máquinas e Seres Vivos: autopoiese – a organização do vivo. Porto Alegre, Artes Médicas.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). 2017. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico – Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 12, 2017. Brasília, Ministério da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 22/04/2017.

MOELLER, H.-G. 2006. Luhmann Explained: from souls to systems. Chicago, Open Court Books.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. 2016. Estresse no ambiente de trabalho cobra preço alto de indivíduos, empregadores e sociedade. Disponível em: < http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content& view=article&id=5087:estresse-no-ambiente-de-trabalho-cobra-preco-alto-de-individuos-empregadores-e-sociedade&catid=845:noticias&Itemid=839>. Acesso em: 22/04/2017.

ROMESÍN, R. M.; GARCÍA, F. V. 1997. De máquinas e seres vivos – autopoiese: a organização do vivo. Porto Alegre, Artes Médicas.

SENGE, P. M. 2014. A Quinta Disciplina: a arte e a prática da organização que aprende. Rio de Janeiro, Best Seller.

PAIM, J. S. 1994. A Reforma Sanitária e os Modelos Assistenciais. In: M. Z. Rouquayrol, Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro, MEDSI, p. 455-466.

RAMDOM, M. 2002. O Território do Olhar. In: Educação e Transdisciplinaridade II. Coordenação executiva do CETRANS. São Paulo, TRIOM.

SCHWARTZ, G. 2003. A autopoiese do sistema sanitário. Revista de direito sanitário, 4(1):50-59.

SEGRE, M.; FERRAZ, F. C. 1997. O conceito de saúde. Revista de Saúde Pública, 31(5):538-542. Disponível em: . Acesso em: 14/02/2017.

SENGE, P. M. 2014. A Quinta Disciplina: a arte e a prática da organização que aprende. Rio de Janeiro, Best Seller.

VASCONCELLOS, M. J. E. de. 2013. Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas, Papirus.


Texto completo: PDF



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo