Representações e apropriações dos topônimos/etnônimos indígenas numa carta geográfica do século XVII

Autores

  • Protasio Paulo Langer Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Resumo

No presente artigo, propomos elucidar um conjunto de dilemas relacionados aos processos de elaboração, circulação e apropriação de uma carta geográfica, do século XVII, que representa o Paraguai colonial e adjacências. Num primeiro momento, serão analisados quesitos relativos à autoria, cronologia, e fontes que subsidiaram a produção de mapas no mercado cartográfico holandês seiscentista. Num segundo momento, o foco serão as disputas simbólicas e considerações de intelectuais das ciências humanas em torno de temas e dilemas concernentes a esse mapa.

Palavras-chave: mapas, Rio da Prata, topônimos/etnônimos, apropriações.

Biografia do Autor

Protasio Paulo Langer, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Professor de História da América e de História Indígena na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Downloads

Publicado

2015-02-27

Edição

Seção

Artigos