Materialidades e a construção de uma memória agostiniana entre o Oriente e o Ocidente: a propósito de uma carta de D. Frei Aleixo de Meneses de 1609

Margareth de Almeida Gonçalves

Resumo


O artigo discute a dimensão dos objetos e da escrita religiosa no âmbito das trocas de presentes nos espaços entre o Índico ocidental e o Convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa. Parte-se de uma carta escrita em dezembro de 1609 pelo arcebispo de Goa e primaz do Oriente D. Frei Aleixo de Meneses à Província de Portugal da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho. Prioriza-se a análise dos segmentos da missiva sobre a descrição de uma cruz e uma grande caixa de cristal, reproduzidas em crônicas, notícias e relatos escritos predominantemente por agostinianos entre 1634 e 1720. Destacam-se as conexões culturais e as hierarquias de poder instituídas nas relações religiosas e políticas com os mundos islâmicos através do topônimo Ormuz. A escrita sobre os objetos é compreendida por mecanismo influente na perenidade da memória de indivíduos e grupos sociais. Nos pontos de conclusão do artigo são examinadas as formas de apropriação e significação cultural inscritas em materialidades por gêneros variados de escrita no cristianismo em que perduram variações da tradição dos discursos hagiológicos.

Palavras-chave: cultura material, escrita religiosa, memória, agostinhos, Ormuz.


Texto completo: PDF



ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo