Ecos de projetos concorrentes de exploração colonial na Assembleia Nacional portuguesa (1961-1974)

Ana Catarina Pinto

Resumo


No artigo faz-se a análise dos debates parlamentares sobre a questão colonial na câmara política portuguesa do tempo do Estado Novo, a Assembleia Nacional, e, mais especificamente, durante os anos da guerra colonial (1961-1974). O tratamento dos conteúdos levantados permite-nos defender e ilustrar a ideia de na Assembleia Nacional, apesar do interdito político imposto pela ditadura relativamente à guerra (a guerra não se discutia), encontrarmos o eco de reivindicações da elite colonial, ali mais fortemente representada desde 1961, e de o figurino das suas reivindicações nos demonstrar não apenas a interdependência entre as burguesias metropolitana e colonial, mas sobretudo aquilo que tinham de concorrencial e que se refletia em diferentes projetos para um futuro neocolonial. No caso, encontramos a defesa da posse da terra, o aumento da produção colonial, a disponibilidade de capitais, a alfabetização das massas e a formação de técnicos como componentes de um novo paradigma de exploração mais favorável às elites coloniais.

Palavras-chave: colonialismo, Portugal, guerra colonial (1961-1974).


Texto completo: PDF



ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo