As devassas eclesiásticas e as “qualidades” dos habitantes na formação da família mestiça em Minas Gerais Colonial (1720-1780)

Rangel Cerceau Netto

Resumo


O artigo analisa como pessoas de “qualidades” (brancos, pretos, crioulos, mestiços, mulatos, pardos, cabras e mamalucos) e condições sociojurídicas (livre, liberto e escravo) diferentes formaram a família mestiça e de que forma ela se estabeleceu como alternativa viável e bastante comum em Minas Gerais Colonial, especificamente nas Comarcas do Rio das Velhas e do Serro Frio. Tentou-se demonstrar como as uniões concubinárias, pautadas na diferença e desigualdade dos sujeitos sociais, possibilitaram a formação de famílias mescladas e situações inovadoras capazes de transformar as hierarquias sociais e jurídicas existentes.

Palavras-chave: família mestiça, misturas coloniais, “qualidades” e condições sociojurídicas.


Texto completo: PDF



ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo