A espada e a capela: relações de compadrio dos oficiais de milícia na fronteira meridional do Brasil (1816-1835)

Luís Augusto Farinatti

Resumo


É conhecida a ideia de que a elite da fronteira meridional do Brasil, na primeira metade do século XIX, seria formada por “estancieiros-militares”. Porém, as pesquisas não têm se aprofundado no estudo desse grupo. A proposta deste artigo é investigar a presença e o papel desempenhado pelos oficiais de milícia naquelas sociedades. Tratava-se de um contexto onde as relações pessoais tinham grande relevância, ajudando a estruturar a política e a economia. Uma parte importante dessas relações pode ser reconstruída através do estudo do compadrio. Assim, o artigo se concentra na análise das relações de compadrio dos oficiais milicianos, na capela de Alegrete, entre 1816 e 1835. As principais fontes empregadas para isso são os registros de batismo e as correspondências oficiais.

Palavras-chave: oficiais de milícia, compadrio, fronteira, Rio Grande do Sul.

 


Texto completo: PDF



ISSN: 2236-1782 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo