Percepção sonora como potência para novos padrões comunicativos

Daniele Fernandes

Resumo


Temos por objetivo demonstrar que a percepção do aspecto caótico do ambiente midiático sonoro é potência para gerar novos padrões comunicativos. Para isso, exploramos a relação da sonoridade e, particularmente, da música, com a indeterminação. Seja como acaso ou como caos, a indeterminação parece ser apontada como um desencadeador de modificações cognitivas, tanto pela semiótica de Peirce como pelo pensamento de Deleuze e Guattari, nossas bases teóricas. Inicialmente, investigamos, sob o ponto de vista da neurofisiologia, como uma sonoridade organizada pode emergir de um ambiente caótico. Na sequência, procuramos entender o trabalho de Cage e Boulez, mostrando o acaso e a indeterminação como potência para pensar a música. Então, colocamos o que foi exposto em relação à semiótica peirciana e ao conceito de plano de imanência de Deleuze e Guattari. Por fim, procuramos sugerir maneiras de tornar a comunicação efetiva do ponto de vista sonoro, apta a lidar com a escuta em um ambiente midiático ruidoso e, assim, produzir mudanças cognitivas.

Palavras-chave: percepção sonora, semiótica peirciana, virtualidade, ambiente midiático, indeterminação, cognição.


Texto completo: PDF



ISSN: 1984-8226 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues