Drácula, o imortal do cinema: uma arqueologia das encarnações do famoso vampiro no audiovisual

Yuri Garcia

Resumo


O presente artigo tem como objetivo traçar uma breve arqueologia das incursões do personagem “Drácula”, criado por Bram Stoker, no livro de 1897 do mesmo nome, no cinema. Embora a obra de Stoker seja um grande marco da literatura gótica inglesa (e talvez até da literatura de uma forma geral), é no audiovisual que percebemos um maior desenvolvimento do vampiro, alcançando uma fama inimaginável. Nesse caso, vemos que a influência dos meios acabam sendo um interessante modelador no desenvolvimento do vampiro ao longo do tempo. Sua diferença de suporte midiático e diferentes momentos da sociedade e das possibilidades tecnológicas acabam nos apresentando uma incrível variação do produto literário inicial. Percebemos que falar de Drácula nunca é um assunto esgotável, pois, a cada ano, uma nova investida audiovisual surge para nos revelar novas possibilidades a respeito desse ser tão camaleônico. Assim, iremos mergulhar nas inúmeras aparições do vampiro no cinema, percebendo como esse ser foi se transformando com o passar dos anos e como, ao passar do papel para a película, ele alcança sua plenitude como um ser imortal.

Palavras-chave: audiovisual, cinema, Drácula, transposição, arqueologia da mídia.


Texto completo: PDF



ISSN: 1984-8226 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues