CEM ANOS DE SOLIDÃO: A NARRATIVA MÍTICA PELO VIÉS LINGUÍSTICO E POÉTICO

Marlete Sandra Diedrich, Cristiane de Oliveira Eugenio

Resumo


Este artigo foi desenvolvido a partir da análise de aspectos do clássico da literatura mundial “Cem Anos de Solidão”, de Gabriel García Márquez, Prêmio Nobel de Literatura em 1982. Os objetivos deste trabalho são identificar como a seleção e a combinação de unidades linguísticas (JAKOBSON, 2010) contribuíram para a construção de alguns aspectos da narrativa fantástica, aproximando os estudos linguísticos dos relacionados à função poética. Além disso, buscou-se atentar às particularidades relacionadas à arbitrariedade do signo linguístico de Saussure (2010), combinado de maneira colaborativa no eixo da combinação e seleção, construindo metáfora e metonímia no romance de 1967. Com esta análise, foi possível perceber que a narrativa de Gabriel García Márquez é uma metáfora da própria condição do povo latino, lançando mão de construções míticas (ELIADE, 1994) para criar os efeitos de sentido metonímicos inerentes à existência daquele clã.  Desta forma, o simulacro de arbitrariedade absoluta atribuída a alguns signos na obra e a sobreposição das similaridades à contiguidade fazem de “Cem Anos de Solidão” uma obra de caráter literário e linguístico.


Palavras-chave


Metáfora; Metonímia; Função poética

Texto completo: PDF



ISSN: 1806-9509 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122



Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo