A PRESENÇA DO PATRIARCALISMO NA LITERATURA BRASILEIRA: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE “MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS”, DE MACHADO DE ASSIS E “SENHORA”, DE JOSÉ DE ALENCAR

Vanessa Fátima Moraes de Souza

Resumo


Homens e mulheres são representados de diferentes formas nas obras literárias, bem como pertencem a espaços pré-definidos conforme a sociedade representada. Dessa forma, o presente artigo objetiva traçar um paralelo entre as obras “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, escrita por Machado de Assis, e “Senhora”, escrita por José de Alencar, ao analisar a presença do patriarcalismo através da leitura dos espaços destinados aos personagens Brás Cubas e Virgília em paralelo com os espaços destinados aos personagens Fernando Seixas e Aurélia. Dessa maneira utilizar-se-á da teoria de DaMatta (1997) para analisar os espaços “casa” e “rua” e para comprovar que enquanto as mulheres da obra “Memórias Póstumas de Brás Cubas” são submissas ao homem, na obra “Senhora” o papel do homem e da mulher é invertido, ficando para Fernando o dever de ser submisso.

Palavras-chave


Papel do homem. Papel da mulher. Patriarcalismo.

Texto completo: PDF



ISSN: 1806-9509 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122