Biopolítica, racismo estrutural-algorítmico e subjetividade

Mozart Linhares da Silva, Willian Fernandes Araújo

Resumo


O artigo tem por objetivo problematizar, na perspectiva da biopolítica, o racismo algorítmico, como dimensão sociotécnica na qual se manifesta determinado ethos sociocultural implicado no racismo estrutural. Ao longo do texto, são analisados casos relacionados a técnicas algorítmicas, nas quais é possível observar a constituição de uma representação inferiorizada de sujeitos negros. Com o propósito de aprofundar a análise, também são realizadas pesquisas exploratórias com termos/descritores específicos. Os resultados apontam para o desenvolvimento de uma compreensão que posiciona a lógica algorítmica, que rege dispositivos computacionais de subjetivação, como um sistema que potencializa e dá materialidade à subjetividade emergente das dinâmicas do racismo estrutural-algorítmico.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.4013/edu.2020.241.40



ISSN 2177-6210 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219
Projeto gráfico: Jully Rodrigues
 
 
 
   


 
 
 
 
 
 
 
 
Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo