Por uma docência nômade: em defesa de uma política do movimento

Angelica Vier Munhoz

Resumo


O presente artigo tem como objetivo perspectivar a docência a partir de uma política do movimento do pensamento, no sentido de tomá-la como vetor de criação existencial. Trata-se de investir na prática docente como uma potência nômade em termos de experimentação do pensamento, isto é, um lugar aberto ao pensar e, nessa medida, território de criação. Mediante tal perspectiva, indaga-se: como produzir uma docência capaz de dar consistência ao movimento do próprio pensar? Tal questionamento transita entre autores da filosofia da diferença, sobretudo Deleuze, Guattari e Foucault, assim como entre outros pensadores, como Gilles Boudinet e Gonçalo Tavares, os quais foram mobilizados para que se construísse o plano conceitual operativo. Por fim, o texto defende uma docência capaz de desencadear um gesto que arrebate o pensamento e o impulsione, fornecendo matéria para a criação conceitual.


Texto completo: PDF



ISSN 2177-6210 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo