Cegueira e representação mental do conhecimento por conceitos: comparação entre cegos congênitos e adquiridos

Sandro de Castro Pitano, Rosa Elena Noal

Resumo


O artigo analisa a representação mental do conhecimento por cegos congênitos e adquiridos, a partir de conceitos geográficos, com o objetivo de compreender como os cegos processam informações e se utilizam de outros sentidos quando estimulados a conceituar objetos e fenômenos sobre os quais possuem noções. A investigação revela que a experiência de vida dos cegos adquiridos, ampliada pela visão temporária, oportunizou o estabelecimento de conexões mais avançadas em relação aos congênitos. Portanto, a condição de ambos sobre o conhecimento e sua representação é desigual, manifestando a necessidade de que as experiências interativas sejam adaptadas e qualificadas em relação às características biológicas e culturais diferenciadas dos cegos, principalmente nos espaços educacionais, como a escola.

Palavras-chave: deficiência visual, representação mental, conhecimento.


Texto completo: PDF



ISSN 2177-6210 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219
Projeto gráfico: Jully Rodrigues