Sentidos de formação continuada de professores para o CEFAPRO em Mato Grosso: a performatividade como a (boa) qualidade da educação

Érika Virgílio Rodrigues da Cunha, Lindalva Maria Novaes Garske

Resumo


Tencionamos explicitar como a formação está sendo significada na política de formação continuada de professores do Estado de Mato Grosso no governo de Pedro Taques. Pontuamos nossa ancoragem entre diferenças teóricas de Stephen Ball e Ernesto Laclau. A discussão empírica foca documentos que tratam da atuação do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Professores do Estado de Mato Grosso (CEFAPRO). Com a análise, revolvemos a articulação discursiva de demandas para a formação do professor no intuito de demonstrar o modo como mudanças na formação continuada são justificadas pela invenção da ausência da “boa” qualidade da educação nas escolas. Realçamos que a interpretação de que falta conhecimento a todos dispara a produção de sentidos de regulação e controle, instituindo a performatividade como uma lógica da formação de professores.

Palavras-chave: CEFAPRO, política de formação de professores, performatividade.


Texto completo: PDF



ISSN 2177-6210 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219
Projeto gráfico: Jully Rodrigues