Se “Narciso acha feio o que não é espelho”, o que aprendemos com os estudos comparados em Educação?

Maria Isabel da Cunha

Resumo


O texto traz uma reflexão baseada na narrativa da autora sobre sua experiência de formação e trabalho relacionada ao campo dos estudos comparados. Enfoca o tema numa perspectiva geracional, tendo os marcos político e histórico do Brasil recente como pano de fundo. Apresenta a visão crítica que foi construída sobre os estudos comparados quando estes se desenvolviam num contexto que estimulava uma perspectiva reducionista e com pouca contribuição para as práticas pedagógicas, pelo afastamento dos modelos em relação às condições objetivas de produção da educação em contextos nacionais. Explora, posteriormente, a possibilidade de evoluir para experiências solidárias no sentido da qualificação das práticas educativas, ampliando o conceito tradicional de educação comparada e amparando-o num diálogo em que se pode aprender com o outro, reconhecendo que experiência não se transmite, mas ensina os sujeitos e as instituições a darem mais sustentação às suas próprias trajetórias.

Palavras-chave: estudos comparados, trabalho colaborativo, comunidades de práticas.


Texto completo: PDF



ISSN 2177-6210 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo