Lei Saraiva (1881): Dos argumentos invocados pelos liberais para a exclusão dos analfabetos do Direito de voto

Alceu Ravanello Ferraro, Michele de Leão

Resumo


O texto trata dos argumentos invocados pelos liberais para a exclusão dos analfabetos do direito de voto nos debates havidos no Parlamento quando da tramitação dos projetos Sinimbu e Saraiva de reforma eleitoral para a introdução do voto direto no Império do Brasil, reforma esta consubstanciada na Lei Saraiva de 9 de janeiro de 1881. Ele integra um conjunto de estudos que tiveram como fontes os Anais da Câmara dos Deputados e do Senado, disponíveis na Internet, relativos ao período de dezembro de 1878 a janeiro de 1881. Na parte que aqui interessa, a pesquisa revelou como, de repente, o analfabetismo, condição de mais de 80% da população brasileira segundo o recenseamento de 1872, passou a significar cegueira, ignorância, dependência, incapacidade e até periculosidade. Na realidade, ele se tornou um estigma, invocado para desqualificar e afastar do voto a grande massa analfabeta. E isto, pela voz e voto de uma representação maciçamente liberal e em nome dos princípios do liberalismo. É claro, do liberalismo possível numa nação dominada por uma elite predominantemente agrária, latifundiária e ainda teimosamente escravocrata.

Palavras-chave: reforma eleitoral, direito de voto, analfabetismo, exclusão, estigmatização.


Texto completo: PDF



ISSN 2177-6210 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo