Quarenta anos do Relatório Coleman: capital social e educação

Silvio Salej H

Resumo


O presente artigo visa a elucidar duas questões cruciais para a pesquisa educativa: (1) Sob quais pressupostos teóricos e normativos está ancorada a conclusão do relatório Coleman (1966) em matéria de eficiência escolar? (2) Qual é o contraponto latente que o conceito de capital social introduz no campo da sociologia educativa? É feita uma reconstrução analítica das perspectivas contrastantes dos mais importantes mentores do capital social no campo sociológico: James S. Coleman e Pierre Bourdieu. Um breve percurso pelos principais trabalhos de Coleman põe a descoberto o influxo de seu pensamento nas políticas liberais de investimento escolar. Porém, uma recente pesquisa (Gaviria et al., 2004), em matéria de eficiência escolar, com dados do Ministério da Educação (MEC, 1997) do Brasil, permite questionar a importação de critérios utilitaristas com os quais é avaliado o investimento escolar em países industrializados.

Palavras-chave: capital social, eficiência escolar, políticas redistributivas.

Texto completo: PDF



ISSN 2177-6210 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219
Projeto gráfico: Jully Rodrigues




Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo