A crítica que Wittgenstein realiza à noção de essência desestrutura a determinação de definições unívocas?

Laina Jéssica de Almeida Brambatti (UCS)

Resumo


Este estudo visa compreender sob que aspectos a crítica que Wittgenstein realiza à noção de essência desestrutura a determinação de definições unívocas. A questão norteadora desta pesquisa se põe da seguinte forma: Quais as consequências da destituição do conceito de “essência”, destituição proposta nas Investigações Filosóficas, e sua substituição pelas “semelhanças de família”, para os fundamentos da filosofia? Neste contexto, uma análise da linguagem é tomada como fundamental na consideração dos problemas filosóficos, visto que tais problemas são indicados como resultantes de um uso inadequado da linguagem. Para tanto, é realizada uma análise breve do Tratado Lógico-Filosófico de modo auxiliar na compreensão do conteúdo presente nas Investigações Filosóficas. A noção de semelhanças de família são fruto de uma tentativa de visão panorâmica do funcionamento da linguagem. O que torna o conhecimento sólido, neste caso, é a união entrelaçada de diversos fatores, que se aproximam por semelhanças de conjunto e pormenor. Todavia, não há uma característica que perpasse todos os membros de uma determinada classe. Sendo assim, o que habilita a indicação dos problemas filosóficos como não possuidores de sentido seria principalmente o distanciamento destes em relação ao contexto e a forma de uso onde a linguagem acontece.

Palavras-chave


Essência; Definição; Semelhanças de Família; Jogos de Linguagem.

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122