O paradoxo da biopolítica: a atualidade da violência nas sociedades modernas a partir de Foucault e Arendt

Ana Paula Repolês Torres

Resumo


Buscamos demonstrar, com base na obra de Foucault, que o biopoder, isto é, a adoção da vida como parâmetro das decisões políticas, tem paradoxalmente gerado o aumento da violência na sociedade moderna. Tal realidade também é constatada por Arendt, quando a mesma analisa a ascensão do trabalho em detrimento da fabricação e da ação política, o que explicaria as atrocidades das sociedades contemporâneas na medida em que o próprio homem passa a ser supérfluo, um produto descartável de um processo produtivo sem fim.

Palavras-chave


biopoder, trabalho, violência, ação política

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122