A interpretação de Nietzsche sobre o fundamento primordial do Cristianismo

Renato Nunes Bittencourt

Resumo


Conforme veremos no decorrer deste artigo, Nietzsche, apesar de direcionar contundentes críticas ao Cristianismo institucionalizado e ao seu sistema moral de caráter normativo, elabora em O Anticristo uma surpreendente interpretação sobre o tipo psicológico de Jesus, considerando haver uma grande incongruência axiológica entre a práxis evangélica do Nazareno e a apropriação de seu legado pelos seguidores cristãos, os quais, segundo o juízo de Nietzsche, por concederem elementos moralistas e teleológicos ao modo de vida evangélico de Jesus, distorceram profundamente os seus ensinamentos, sustentados por uma compreensão imanente da experiência divina, cujo fundamento axiológico primordial residia na beatitude.

Palavras-chave


beatitude, amoralidade, crístico, Jesus, pecado

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122